Economia

Bolsas de NY fecham em alta com reabertura, compras da China e máximas no final

COMPARTILHE
12
Advertisement
Advertisement

As bolsas de Nova York registraram ganhos nesta terça, 2. Após uma abertura sem sinal único, com os protestos em cidades americanas dos últimos dias no radar, investidores privilegiaram notícias da reabertura econômica e também a declaração da China de que continua a comprar soja dos Estados Unidos, sinal positivo para o comércio bilateral.

Fed/Barkin: 'espero recuperação lenta no mercado de trabalho'

Washington, 07/07/2020 - O presidente da distrital de Richmond do o Federal Reserve (Fed,...

FGV: mercado de trabalho parou de piorar; melhora depende do ritmo da recuperação

A forte alta no Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), de 14 pontos na passagem...

Europa: bolsas fecham em queda com deterioração das perspectivas econômicas da UE

As principais bolsas da Europa não conseguiram sustentar os fortes ganhos registrados ontem e...

O índice Dow Jones fechou em alta de 1,05%, em 25.742,65 pontos, o Nasdaq subiu 0,59%, a 9.608,37 pontos, e o S&P 500 avançou 0,82%, a 3.080,82 pontos. Os índices ganharam fôlego extra nos minutos finais do pregão, com máximas no dia.

A notícia de que a China continua a comprar soja dos EUA de acordo com as leis do mercado animou o cenário, após dias de tensões bilaterais entre as potências. Além disso, os sinais de reabertura econômica estiveram no radar. Na frente da saúde, o diretor do Instituto de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, voltou a mostrar otimismo quanto à possibilidade de se conseguir uma vacina para o coronavírus. Fauci ainda comentou, em entrevista virtual ao Wall Street Journal, que se o país mostrasse eficácia nas medidas de controle do vírus seria possível evitar uma segunda onda de casos da doença.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

A BK Asset Management considerou em relatório que o rali nas ações refletia um senso geral de otimismo nos mercados financeiros, mesmo no quadro de descontentamento e protestos nas cidades americanas.

Entre ações em foco hoje, Facebook recuou durante boa parte do pregão, diante da insatisfação de parte de seus funcionários com uma decisão do comando da empresa de manter no ar um texto do presidente Donald Trump sobre os protestos contra o racismo em várias cidades do país. Na mensagem, Trump qualifica manifestantes como “bandidos” e ameaça usar a força para reprimir os atos. No Twitter, a mensagem foi marcada com um aviso de que viola as regras da rede pessoal e glorifica a violência, mas no Facebook ela foi mantida no ar, sem avisos, o que gerou críticas de funcionários. Mais para o fim do pregão, porém, a ação do Facebook se recuperou e ainda fechou em alta de 0,35%. No setor de tecnologia, Apple subiu 0,46%, Intel avançou 0,42% e Microsoft, 1,14%. Entre outras ações importantes, Boeing subiu 1,27%, Citigroup ganhou 2,81% e Caterpillar, 2,34%.

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.