Geral

Casos ainda aumentam no Brasil e protestos podem disseminar covid-19, diz Opas

COMPARTILHE
15
Advertisement
Advertisement

Gerente de Vigilância à Saúde e Controle e Prevenção de Enfermidades da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Marcos Espinal afirmou nesta terça, 2, que o número de casos da covid-19 continua a aumentar, advertindo para o fato de que protestos de massa nas ruas podem piorar o quadro.

Covid deixa 73 países sob risco de escassez de remédios para aids

Setenta e três países alertaram que estão em risco de ficar sem medicamentos antirretrovirais...

Empresários cobram combate ao desmate

Pressionado por empresários e políticos, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, tentou sinalizar que...

Jovem que sumiu no litoral foi asfixiada

Os bombeiros localizaram anteontem o corpo de Julia Rosenberg, de 21 anos, em uma...

“Evitemos as reuniões de massa, as aglomerações”, defendeu Espinal, durante entrevista coletiva com autoridades da Opas, ao ser questionado sobre protestos contra e a favor do governo do presidente Jair Bolsonaro ocorridos no fim de semana. “Está muito demonstrado que as aglomerações contribuem para disseminar o vírus”, disse ele. “Se lavamos as mãos, mas vamos a uma manifestação de massa, sem usar máscara nem manter distanciamento social, vamos continuar a disseminar a doença.”

A autoridade da Opas disse que se observa no Brasil um “aumento inusitado de casos”. Além disso, destacou o fato de que mais municípios têm reportado a doença, ou seja, ela tem se disseminado mais pelo País. Nas duas semanas entre 11 de maio de 25 de maio, houve aumento de 68% no número de municípios reportando casos, de um avanço de 53% nesse indicador nas duas semanas anteriores, citou.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Espinal advertiu para o risco de que, após uma manifestação, alguém possa ter se contaminado e ainda transmitido a doença para familiares. “Vamos pensar em nossos pais, avós, todos os que estão confinados, quando chegamos em casa podemos transmitir doença para eles”, disse.

Também presente na entrevista coletiva virtual, o brasileiro Jarbas Barbosa, subdiretor da Opas, defendeu a necessidade de distanciamento social, no momento em que se nota um crescimento no caso da covid-19. Segundo ele, é importante que seja dado apoio social, a fim de ampliar a adesão ao confinamento por parte da população. Barbosa também disse que, em um quadro de transmissão crescente da doença, não se deve realizar uma reabertura imediata da economia e pediu que a região invista em ampliar a capacidade de testagem para a doença. “É preciso haver testes suficientes para todos os casos suspeitos”, argumentou.

Saída dos EUA da OMS

Etienne também afirmou que a saída dos Estados Unidos da entidade representaria uma “grande contração” nas atividades de saúde pública realizadas pela entidade na região. A autoridade foi questionada, durante entrevista coletiva virtual, sobre a decisão do governo do presidente Donald Trump de retirar o país da Organização Mundial de Saúde (OMS).

A Opas é o braço regional da OMS. Em suas declarações, Etienne disse que tem havido uma colaboração importante com os EUA e que espera que isso continue. De acordo com a diretora, os EUA são o maior financiador da Opas, respondendo atualmente por 60% do financiamento da entidade.

Trump reclama de um viés pró-China da OMS e culpa a entidade por supostamente acobertar dados sobre o coronavírus no início do que se tornou a pandemia global da doença.

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.