Cidades

Prelazia de Lábrea grava vídeo em homenagem aos 35 anos do martírio da santa cachoeirense Irmã Cleuza

COMPARTILHE
363
Advertisement
Advertisement

No último dia 28 foi celebrado na Prelazia de Lábrea, no Amazonas, o 35º aniversário do martírio da santa cachoeirense, Irmã Cleusa Carolina Rody Coelho, que foi brutalmente assassinada, na mesma data, no ano de 1985, às margens do Rio Paciá.

Continua depois da publicidade

A celebração deste ano seria um tanto especial e significativo para a comunidade, porém devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) foi necessária uma adaptação para que a data de celebração não passasse em branco. E o resultado não poderia ter sido melhor: um vídeo com depoimentos e uma música, composta pelo artista Zé Vicente, em homenagem a serva de Deus foi produzido (assista e ouça no portal AQUINOTICIAS.COM).

A programação aconteceu de portas fechadas na Catedral de Lábrea. Um tríduo de oração foi realizado, suplicando a intercessão de Irmã Cleusa, somando-se às intercessões de cura para todos os infectados, além de orações pelo fim da pandemia.

De acordo com a Irmã Marlene, da Prelazia de Lábrea, apesar de não poder ter sido realizada a tradicional caminhada de oração, a celebração teve alcance nos ramais da BR 230, nas comunidades ribeirinhas da Curva do Puruz e as comunidades indígenas mais próximas de Lábrea, pois foi transmitida pela rádio.

Continua depois da publicidade

“Celebrados os 35 anos do martírio de Irmã Cleusa, neste contexto de pandemia, significa pedir a sua intercessão, não só pelos doentes da pandemia, mas também pelos doentes de modo geral, em todos os lugares. A celebração foi um momento de fé, de esperança e de pedir realmente a intercessão de Irmã Cleusa, a cura. Que ela leve até o coração de Deus esse grande pedido nosso, rezando também pelo fim da pandemia”, conta a Irmã Marlene.

Atualmente, a maior expressão religiosa em homenagem a Irmã Cleusa é o tríduo de oração em preparação a celebração de sua memória, que acontece todo mês de abril, culminando com a tradicional caminhada de oração com a participação popular, saindo da Catedral Nossa Senhora de Nazaré rumo a igreja Nossa Senhora de Fátima onde é celebrada a Eucaristia.

O Bispo da Prelazia, Dom Santiago, relembrou a importância da Irmã Cleusa para a Prelazia de Lábrea, que está prestes a completar 100 anos. E que neste ano, devido a pandemia do coronavírus, foi necessário muita criatividade para realizar a homenagem à santa.

Advertisement
Continua depois da publicidade

“Irmã Cleusa foi uma figura muito importante de nossa missão, por isso temos que nos manter fiel a essa tarefa que ela iniciou. Para este ano, tivemos que ser ainda mais criativos, pois as condições nos levaram a ter celebrações de portas fechadas e tudo isso nos fez ser mais fiéis. Esta é a importância pela qual não podíamos perder essa memória, não podíamos esquecer a Irmã Cleusa e o legado que nos deixou. Seu espírito continua vivo”, afirma Dom Santiago.

A igreja, através da devoção popular, mantém viva a memória de Irmã Cleusa, e ao longo dos anos, a celebração do seu martírio vem se fortalecendo em toda a Prelazia de Lábrea, que celebra com fé, simplicidade e criatividade as muitas manifestações e expressões religiosas em sua homenagem.

Quem foi Irmã Cleusa

Nascida em 1933, em Cachoeiro de Itapemirim, Cleusa ingressou na Congregação das Missionárias Agostinianas Recoletas em 1952. Por 32 anos, dedicou-se ao serviço de pessoas com hanseníase, presidiários, crianças de rua e indígenas.

Foi justamente quando, no exercício de sua missão, buscava a paz e defendia as terras indígenas, que encontrou a morte. Sendo brutalmente assassinada, às margens do Rio Paciá-Lábrea (AM), no dia 28 de abril de 1985. Seu corpo foi resgatado do meio da floresta somente no dia 4 de maio, quando foi transportado para Lábrea, onde foi sepultado com grande acompanhamento do povo.

Os exames médicos revelaram a brutalidade do crime: muitas costelas quebradas, o crânio fraturado, o braço direito parcialmente separado do corpo, fratura na coluna vertebral e pedaços de chumbo no tórax. Sua mão direita não foi encontrada.

O corpo de Irmã Cleusa foi exumado em 1991, e seus ossos se encontram na capela de Nossa Senhora de Fátima, na cidade de Lábrea. Os ossos de seu braço direito, decepado na hora do martírio, foram trazidos para a Catedral de Vitória, onde se encontram em um relicário, no local do antigo batistério.

A fase diocesana de seu processo de beatificação foi concluída em 1993.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.