Segurança

Polícia prende grupo que matou, esquartejou e queimou corpo de homem em Guaçuí

COMPARTILHE
3351
Advertisement
Advertisement

A Polícia Civil prendeu nesta quinta-feira (21), cinco suspeitos de dopar, matar, atear fogo e esquartejar o corpo de um homem, no dia 24 de abril deste ano, em Guaçuí.

Carga com 22 mil litros de cerveja sem nota fiscal é apreendida na BR 101 no ES

A Polícia Rodoviária Federal no Espírito Santo (PRF) apreendeu uma carga totalizando 22.296 litros...

Homem é preso ao receber droga pelos Correios em Apiacá

Um homem foi preso na manhã desta quarta-feira (27), após ir até a agência...

PF deflagra operação para prender suspeito de assaltar agências dos Correios no Sul e Norte do ES

A Polícia Federal no Espírito Santo deflagrou, após seis meses de investigação, na manhã...

A vítima, João Paulo Pereira Purificati, de 39 anos, segundo a PC, foi seduzido por duas mulheres, usadas como “isca”. Elas diluíram remédios na bebida oferecida para João, que foi dopado e depois morto pelos suspeitos.

Os mandados de prisão foram cumpridos na zona rural de Guaçuí, no assentamento Luiz T. Neto e no bairro Vila dos Professores. O veículo que foi utilizado pelos autores para transportar o corpo da vítima também foi encontrado.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Foram presos temporariamente; M. B. de O., 41 anos / J. C. da S., 54 anos / H. da S. B. de O., 23 anos / A. P. da C., 34 anos / M. M. P. da Silva., 36 anos. Sendo duas mulheres e três homens.

O caso

No dia 25 de abril de 2020, foi registrada uma ocorrência informando o desaparecimento de João, que estava sumido desde o dia 23, sendo que, o mesmo tinha sido visto pela última vez com vida por uma amiga, que lhe emprestou uma bicicleta para ele ir em um encontro.

O setor de inteligência da Polícia Civil de Guaçuí, passou a investigar o caso, para tentar descobrir o paradeiro da vítima, porém, no curso das investigações, foi descoberto que ele havia sido assassinado. E então foi iniciada a Operação denominada “Don Juan” para descobrir a autoria e a motivação do crime.

O nome da operação é por causa do apelido da vítima, ele era conhecido como “Don Juan”.

Advertisement

Durante as investigações, foi descoberto que, duas mulheres foram aliciadas para servir de “isca” para atrair a vítima para uma casa no bairro Vila dos Professores, em Guaçuí.

As mulheres foram até um centro espírita no Assentamento Luiz T. Neto, para fazer um “trabalho”, sendo que a pessoa responsável pelo centro não cobrou pelo serviço.

Dias depois, a responsável pelo centro, procurou as mulheres e “cobrou pelo trabalho”, determinando que elas fizessem contato com “Don Juan”, para marcar um encontro, a responsável pelo centro entregou dois comprimidos para serem diluídos na bebida que seria servida para a vítima.

No dia combinado, ou seja, em 23 de abril, as mulheres mantiveram contato com a vítima e este foi na casa de uma delas para beber e conversar. Depois que ele já estava sob efeito dos remédio, a responsável pelo centro espírita e mais três homens, sendo um companheiro dela, outro o filho e um amigo, chegaram no local armados com um porrete e desferiram os primeiros golpes na vítima ainda na casa.

Depois disso, enrolaram o corpo num cobertor e colocaram no carro do companheiro da suspeita de encomendar a morte, e se dirigiram até o Assentamento Luiz T. Neto.

Foi apurado, ainda na investigação, segundo a polícia, que a motivação do crime tem ligação com problemas envolvendo o local religioso, já que a vítima também fazia trabalhos espirituais e no passado, foi preso juntamente com a mulher responsável pelo centro espírita por participação em um crime de homicídio em Bom Jesus do Norte, anos atrás.

Um dos detidos confessou a participação no crime e disse que João Paulo foi dopado, recebeu uma pancada na cabeça com um cassetete, depois foi asfixiado com uma sacola plástica, sendo amarrado e enrolado numa manta e depois colocado no carro.

No meio do caminho a vítima faleceu e foi levada para uma mata, onde o grupo ateou fogo no corpo e como a chama não consumiu o corpo por completo, foi esquartejado e jogado no rio.

As mulheres detidas foram encaminhadas para o Centro Provisório Feminino e os presos para o Centro de Detenção Provisória de Cachoeiro de Itapemirim.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.