Economia

Para Guedes, auxílio a informais é 'maior rede de proteção social já estendida'

COMPARTILHE
13
Advertisement
Advertisement

Quase duas semanas depois de sua última aparição em anúncios do governo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, aproveitou sua participação desta terça-feira, 31, na entrevista no Palácio do Planalto para exaltar a criação do auxílio emergencial aos trabalhadores informais, classificada por ele como “a maior rede de proteção social já estendida” no País. A lei que oficializa o benefício, no entanto, ainda não foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, e a falta de agilidade nos pagamentos tem despertado críticas fora do governo. O ministro tampouco deu indicação de quando o dinheiro começará a ser liberado.

Governo quer contrato temporário em portos públicos

O governo quer efetivar ainda neste ano uma agenda de desburocratização do setor portuário,...

Empresas preveem mais demissões

Apesar do número já recorde de demissões no mercado de trabalho em abril, o...

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

Com parte das fábricas de volta às atividades, a indústria automobilística produziu em maio...

A criação de um auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais foi aprovada na semana passada pela Câmara dos Deputados e na segunda-feira no Senado Federal. Desde então, a hashtag #PagaLogoBolsonaro tem sido uma das mais comentadas nas redes sociais, e há forte pressão do Congresso para que os repasses comecem logo.

O Ministério da Cidadania, porém, sinalizou com o início dos pagamentos na segunda quinzena de abril.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O presidente precisa sancionar a lei, editar um decreto e publicar uma Medida Provisória, com vigência imediata, para liberar os recursos no Orçamento. Nenhuma dessas etapas foram cumpridas até o momento.

“É a maior rede de proteção social que já foi estendida”, disse Guedes. “São entre R$ 60 bilhões e R$ 80 bilhões para a defesa da saúde dos brasileiros”, acrescentou o ministro, sem dar qualquer indicação de quando começam os pagamentos.

Guedes disse que a medida deve beneficiar cerca de 38 milhões de brasileiros informais e, como numa espécie de vacina anticríticas ao valor do auxílio, fez comparações favoráveis à ajuda aprovada no Brasil.

“Do ponto de vista do déficit primário, estamos gastando bem mais que qualquer país da América Latina”, disse o ministro. “Comparada à nossa renda per capita, (a ajuda aos informais) é igual à ajuda dos Estados Unidos, de US$ 1.200”, afirmou.

O ministro também ressaltou que a ajuda aos trabalhadores formais deve injetar outros R$ 50 bilhões. “Pode sair hoje ou amanhã”, disse. Para empregados com carteira assinada, o governo vai bancar uma parte do seguro-desemprego nos casos de redução de jornada e salário pelas empresas ou até suspensão do contrato.

Guedes fez nesta terça a primeira aparição pública desde 18 de março, quando participou de entrevista coletiva ao lado do presidente e outros sete ministros. Desde então, Guedes ficou mais de uma semana despachando no Rio de Janeiro, onde tem residência.

O ministro participou de videoconferências com investidores e representantes de Estados e municípios. Desde o último fim de semana, ele voltou a despachar em Brasília, hospedado na Granja do Torto.

Idiana Tomazelli, Julia Lindner e André Borges
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.