Variedades

Museus conectados

COMPARTILHE
20
Advertisement
Advertisement

Já faz quase duas semanas que museus e centros culturais de São Paulo estão com as portas fechadas como parte das medidas para tentar conter o avanço da covid-19. Em outros tempos, a suspensão das atividades deixaria o público sem nenhum acesso às coleções. Mas a internet permite boas alternativas: museus estão diversificando suas atrações online para manter seus acervos vivos, mesmo sem estarem fisicamente abertos.

Nelson Sargento: campanha e homenagem

Recentemente, o sambista Nelson Sargento, de 95 anos, se viu em uma situação complicada...

Parada do Orgulho LGBTQIA+ terá versão virtual com live

A Parada do Orgulho LGBTQIA+ realizada em São Paulo no mês de junho é...

'Tivemos que demitir 200 pessoas', diz Henrique Fogaça sobre restaurantes

Jurado do MasterChef Brasil, Henrique Fogaça revelou ter demitido 200 funcionários de seus restaurantes...

A Pinacoteca, que já vinha buscando maior proximidade com o público na web – como ao adotar a forma “Pina” em seus materiais de comunicação -, reforçou a presença nas redes. Com a hashtag #pinadecasa, passou a apresentar diariamente informações sobre sua coleção. Sempre pela manhã, no Facebook e no Instagram, uma postagem com descrições feitas pelos curadores traz curiosidades sobre determinada obra.

Do brasileiro Almeida Júnior, a pintura Leitura, de 1892, foi a primeira a ganhar destaque. Na composição, à frente de uma paisagem calma, uma mulher lê um livro em um terraço. Ao visualizar a obra, estimulado a interagir na caixa de comentários, o público reage de forma bastante positiva: alguns elogiam a escolha da pintura por passar “tranquilidade neste momento turbulento”; outros escrevem que, embora já tenham visto a tela no museu, desconheciam os detalhes apresentados.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

A Pinacoteca também passou a utilizar os stories no Instagram para relembrar antigas exposições e compartilhar fotos de seus seguidores no museu. A interação, porém, não se restringe ao passado: hoje, às 11h, seu diretor-geral, Jochen Volz, fará uma transmissão ao vivo para contar o que esperar da mostra OsGêmeos: Segredos, que, inicialmente prevista para abrir este fim de semana, precisou ser adiada.

O Itaú Cultural chegou a inaugurar duas mostras antes do avanço do vírus – uma dedicada ao arquiteto Rino Levi e outra com obras de Sandra Cinto.

Agora, o público pode aproveitá-las pelo site do centro cultural. É possível fazer um tour em realidade virtual pelo hoje extinto Cine Universo, projetado por Levi em 1936. Entre 2 e 12 de abril, haverá também a mostra online Metrópole em Construção, com filmes sobre a urbanização de São Paulo. De Sandra Cinto, o site compartilha um caderno sobre seu universo poético – um plano de aula proposto pela artista, que pode servir como instrumento lúdico para pais e filhos durante a quarentena. A partir de 6 de abril, haverá ainda um vídeo em 360 graus de sua exposição, que foi interrompida.

Também na Avenida Paulista, o Instituto Moreira Salles (IMS) lançou ontem um podcast com dicas de leitura. Conhecido por realizar mostras de expoentes da fotografia, o centro cultural tem reforçado a divulgação de seu acervo online nas redes sociais – como os trabalhos de Peter Scheier, exibidos até então em uma retrospectiva no local. No YouTube, há vídeos de conversas com artistas e curadores. E, na próxima terça-feira, 31, das 14h às 22h, o instituto promove uma maratona de edição de verbetes da Wikipédia sobre arte brasileira e feminismo.

Outro que também investe em uma maratona para editar verbetes da Wikipédia é o Museu do Ipiranga, que realiza seu WikiConcurso até 15 de junho. Fechada há anos, a instituição vem buscando intensificar sua presença online enquanto não volta a funcionar fisicamente.

Cartão-postal da cidade, o Masp tem adotado a estratégia de difundir seu acervo nas redes sociais. Outra aposta é a expansão do aplicativo Masp Áudios (disponível para Android e iOS) unindo seu conteúdo – que inclui comentários de curadores, artistas, professores e pesquisadores – a vídeos divulgados nos canais digitais. No YouTube, há uma boa seleção de vídeos de seminários, palestras, entrevistas com artistas e exposições.

No MAM, além de poder fazer um tour por mais de dez exposições – incluindo exibições recentes de Mira Schendel e Ismael Nery -, o público pode conferir diariamente nas redes sociais postagens feitas com a hashtag #HistóriasDoAcervo. Toda quarta-feira, o museu divulga também conteúdos com #ArtistaDaSemana – as últimas postagens foram dedicadas a Antonio Dias e Thiago Honório, ambos com trabalhos a serem expostos este ano no museu.

Também às quartas-feiras, o setor educativo faz lives com oficinas, contação de histórias e brincadeiras para as crianças. Há ainda quiz, indicação de leituras e playlists para ajudar no entretenimento durante a quarentena.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Júlia Corrêa
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.