Economia

Dólar cai novamente e fecha pela primeira vez abaixo de R$ 5 desde o dia 13

COMPARTILHE
15
Advertisement
Advertisement

O dólar fechou em queda pelo terceiro dia seguido, e pela primeira vez abaixo de R$ 5,00 desde o último dia 13, novamente influenciado pelo exterior. A moeda americana teve novo dia de queda no mercado financeiro internacional com a aprovação no Senado em Washington do pacote emergencial de US$ 2 trilhões para contornar a crise gerada pela pandemia do coronavírus, o que estimulou os investidores a continuarem buscando ativos de risco. Além dos EUA, o G-20, grupo dos países mais ricos do mundo, anunciou hoje que pode desembolsar até US$ 5 trilhões. No mercado à vista, o dólar terminou o dia em R$ 4,9970, em queda de 0,71%. O dólar futuro para abriu caiu 0,30% e fechou em R$ 5,0220.

Guedes diz que isolamento social pode desorganizar o setor produtivo

São Paulo, 28/03/2020 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o "lockdown"...

Pedidos de desculpas de Guedes ao mercado repercutem entre agentes econômicos

Os pedidos de desculpas feitos pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante videoconferência com...

Guedes diz que especulação sobre sua saída do ministério é conversa fiada

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que "é conversa fiada" de quem diz...

O índice DXY, que mede o comportamento do dólar ante divisas fortes, caiu abaixo de 100 pontos pela primeira vez desde o último dia 20. Nos emergentes, as moedas ganharam força ante o dólar, como pode ser visto pelo desempenho do WisdomTree Emerging Currency Strategy, fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) com divisas de emergentes negociado em Nova York, que subiu 1,36%.

Na avaliação do estrategista de moedas do banco canadense Scotiabank, Shaun Osborne, o ambiente de busca por ativos de risco hoje e nos últimos dois dias favoreceu as moedas mais arriscadas. “Seria ótimo pensar que o pior já passou, mas realmente ainda é muito cedo para dizer isso”, ressalta ele. Moedas de emergentes podem até ganhar um pouco mais de fôlego no curto prazo, mas Osborne avalia que o espaço para ganhos mais amplos é menos certo e deve ser limitado a partir de agora.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Para o analista de mercado da Oanda em Nova York, Edward Moya, o dólar se manteve em queda no mercado financeiro internacional, com a aprovação no Senado do pacote de estímulo de US$ 2 trilhões estimulando a busca por risco, ressalta ele em comentário à imprensa. O principal evento econômico da semana, a divulgação dos pedidos de auxílio-desemprego dos EUA, confirmou o que todos estavam temendo, que a crise do desemprego deve ser feia e pode competir com a de 2008/2009. Para Moya, não seria espanto se os pedidos atingirem 16 milhões nas próximas semanas.

Em conferência pela internet hoje, o chefe de risco para as Américas da Fitch Solutions, Jeffrey Lamoureux, e o analista de risco, Andrew Trahan, destacaram que as reformas no Brasil “estão fora da mesa no futuro previsível” e que a economia brasileira deve encolher 1,9% este ano. Sobre as recentes declarações de Jair Bolsonaro contra a quarentena, a avaliação dos analistas é que elas mostram uma subestimação da crise, assim como no México, e criam risco político.

Altamiro Silva Junior
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement