Economia

Maia diz que ainda não avaliou projeto de empréstimos compulsórios

COMPARTILHE
10
Advertisement
Advertisement

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que ainda não avaliou o projeto que trata de empréstimos compulsórios para grandes empresas. “Não olhei o projeto ainda, estou focado no dos vulneráveis. Certamente, nas próximas reuniões, os autores vão apresentar e será debatida para avaliar se é o momento e se é um tema pertinente”, comentou.

BC quer que todos participem do PIX e que o custo seja barato, diz diretor

O diretor de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, João Manoel Pinho de...

Petrobras tem situação financeira mais segura que seus pares na AL, diz Moody's

As medidas tomadas pelas empresas de petróleo e gás da América Latina para proteger...

Balança tem superávit de US$ 1,655 bilhão na 2ª semana de julho

A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 1,655 bilhão na segunda semana...

O Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mostrou mais cedo que deputados de dez partidos do Centro querem aprovar nos próximos dias a obrigação de empresas com patrimônio superior a R$ 1 bilhão emprestarem até 10% de seus lucros para o combate aos efeitos da covid-19.

O deputado Arthur Lira (PP-AL) apresentou ontem, como líder do bloco que reúne os partidos PP, PL, PSD, MDB, DEM, Solidariedade, PTB, PROS, Avante e Patriota, um pedido para que a proposta seja analisada com urgência pela Câmara.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O autor da medida, o deputado Wellington Roberto (PB), líder do PL, justifica na sua proposta que a medida não representaria ação constritiva ou confiscatória do patrimônio. “Tendo em vista que outra característica que é própria dos empréstimos compulsórios é a obrigatoriedade de determinação do prazo e condições de seu resgate”, diz.

Camila Turtelli
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.