Espírito Santo

Policiais aumentam pressão sobre o Governo do ES em movimento que reivindica reposição salarial

COMPARTILHE
1467
Advertisement
Advertisement

A Frente Unificada pela Valorização Salarial dos Policiais Militares, Policiais Civis e Bombeiros Militares não aceita a proposta do governador Renato Casagrande de reajuste anual de 4% pelos próximos três anos, mais três reposições da inflação, que em dezembro de 2019 foi de 3,5%. A categoria reivindica, no mínimo, 12% ao ano até 2022, totalizando 36%, fora a reposição inflacionária.

Boa notícia! 13 pessoas já estão curadas do coronavírus no Espírito Santo

O Espírito Santo tem 85 casos confirmados do novo Coronavírus (Covid-19) até esta segunda-feira...

Veja as cidades com casos registrados de coronavírus na região Sul, Serrana e Caparaó

O Espírito Santo tem 84 casos confirmados do novo Coronavírus (Covid-19) até esta segunda-feira...

ES: informação que Samu está com vagas abertas é falsa

É falsa a mensagem que tem circulado pelas redes sociais sobre a abertura de...

O Governo do Estado realizou uma reunião na noite desta quinta-feira (13) no Palácio da Fonte Grande, no Centro, em Vitória, entre representantes do Poder Executivo e as entidades representativas dos policiais e bombeiros militares. Dois sindicatos e seis associações da chamada Frente Unificada pela Valorização Salarial tentaram participar da reunião, mas não foram recebidos.

Participaram do encontro e entregaram uma contraproposta os representantes de cinco associações de policiais e bombeiros. São elas: Associação dos Oficiais da Polícia Militar (Assomes); Associação dos Militares da Reserva, Reformados, da Ativa da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e Pensionistas de Militares do Estado (Aspomires); Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar (ACSPMBMES); Associação dos Bombeiros Militares do Estado (ABMES); e Associação dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar (Asses).

Advertisement
Continua depois da publicidade

Ao portal Século Diário, o secretário de Estado de Governo (SEG), Tyago Hoffmann, disse que uma nova reunião está marcada para depois do carnaval e que as equipes técnicas das secretarias de Gestão e Planejamento vão analisar, até lá, a contraproposta.

“Não houve reunião”

Integrantes da Frente Unificada pela Valorização Salarial, que estavam em frente ao Palácio da Fonte Grande disseram a um grupo de cerca de dois mil manifestantes que para eles, como não foram recebidos, a “reunião não aconteceu”. Eles afiram que há um ano tentam negociar com o Governo do Estado a reposição salarial.

Ouça o que diz a Aspomires

Entrevista com o presidente da Associação dos Militares da Reserva, Reformados, da Ativa da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e Pensionistas de Militares do Estado do Espírito, Guilherme Thompson.

Advertisement

O deputado estadual Capitão Assumção fez uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, onde alguns dos manifestantes gritavam que não teria carnaval no Espírito Santo, numa mensagem subliminar de que pode haver uma nova paralisação.

Advertisement