Geral

Pais buscam boa educação para os filhos além do custo financeiro

Colocar na ponta do lápis o valor da educação vai além da matemática

COMPARTILHE
Elementary school pupil discussing picture with classmates
32
Advertisement
Advertisement

O valor de uma boa educação está além da questão financeira. O convívio nas escolas contribui para a formação dos pequenos. É com esse propósito que muitos pais colocam seus filhos na escola por volta dos dois anos de idade.

Rede pede suspensão de decreto que exclui sociedade de conselho de meio ambiente

A Rede Sustentabilidade entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o decreto...

Juiz condena preso por violentar a mulher dentro da cadeia

A Justiça de São Paulo condenou a mais de quinze anos de reclusão, em...

Número de mortos pelo coronavírus na China passa de 1,7 mil

Autoridades chinesas relataram nesta segunda-feira, 17, uma ligeira melhora nos novos casos de COVID-19...

De acordo com estudo feito pelo economista Rodrigo Capelato, diretor-executivo do Sindicato das Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior em São Paulo (Semesp), há 10 anos cada aluno custou, em média, R$ 5 mil por ano. Já um estudo feito pela consultoria Invest concluiu que integrantes da classe “A” gastavam, em média, R$ 15 mil por ano com escola e, da classe “B”, R$ 7,8 mil.

Colocar na ponta do lápis o valor da educação vai além da matemática. “A escola pode ajudar os alunos a estarem conectados com a vida. Por exemplo, promover atividades dos mais diversos tipos que estimulem o vínculo, a troca de afeto e a expressão do sentimento, além de fazer com que alunos criem espaço de transparência e diálogo”, explica a psicóloga Sabrina Costa.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Foi também pensando em proporcionar mais interações para Lucca, de dois anos, que a jornalista Mayanna Miranda e seu esposo matricularam o filho na escola em tempo integral. “Apesar dele ter contato com os amiguinhos do prédio, não estava sendo suficiente para o desenvolvimento dele, que pedia por mais interação. Então, fomos orientados a matriculá-lo em uma escola”, conta a jornalista.

Para os pais de Lucca, a escola em tempo integral foi uma opção mais econômica e Mayanna explica o porquê: “Ele ficava com a babá enquanto eu e meu esposo estávamos no trabalho. Com o início dele na escola, ele ficaria menos tempo em casa, então, colocando no papel, vimos que não seria vantagem pagar babá e escola, seria menos custoso colocá-lo na escola integral”, explica a jornalista, que já prevê a economia com as contas domésticas.

Se por um lado a organização financeira é um aliado, por outro, a falta dela pode comprometer o ingresso de uma criança no ensino privado. A aposentada Ana Maria Pires acessou o site do Educa Mais Brasil e conseguiu uma bolsa de estudo para o neto, de quatro anos, no Centro Educacional Jorge Amado. No entanto, os gastos não planejados além da mensalidade impediram que Ana e seu neto usufruíssem da oportunidade.  “Além do valor da mensalidade, mesmo com desconto da bolsa, teríamos que pagar mais R$ 1.040 dos módulos da escola e o fardamento que custa R$ 60. Em razão disso, decidimos colocá-lo em um colégio público, com dor no coração”, desabafa Ana Maria. 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Advertisement

Advertisement