Cidades

Mutirão atua na recuperação do Parque Nacional do Caparaó, em Dores do Rio Preto

COMPARTILHE
250
Advertisement
Advertisement

A portaria do Parque Nacional do Caparaó, em Pedra Menina, distrito de Dores do Rio Preto, ficou com setores comprometidos por conta das fortes chuvas que atingiram os estados do Espírito Santo e Minas Gerais, no mês de janeiro, e se encontra fechado por tempo indeterminado à visitação pública.

Anchieta já imunizou mais de 1.200 idosos contra gripe

A Campanha Nacional de Vacinação contra gripe atendeu até a tarde de sexta-feira (27)...

"Festival Fico Em Casa ES" terá Pelissari apresentando clássicos do rock

A versatilidade é uma característica marcante na carreira do cantor e compositor Pelissari. O...

Prefeito de Marataízes revoga decisão que mantinha comércio fechado

Tininho Batista, prefeito municipal de Marataízes, revogou nesta sexta-feira (27), o Artigo IV do...

Por conta disso, o Parque recebeu a equipe de engenharia do ICMBio, que realizou visita técnica de avaliação dos estragos. Como primeiro desdobramento dessa avaliação, a administração do Parque Nacional do Caparaó, junto a um grupo de moradores, voluntários e representantes do trade turístico de Pedra Menina, denominado “Amigos do Parque Caparaó”, estão realizando um mutirão, desde o último dia 19, para viabilizar o acesso até um determinado ponto da estrada.

“O grupo promove discussões e planeja ações através do WhatsApp. Neste primeiro mutirão de limpeza e recuperação da estrada, cerca de 10 voluntários trabalharam no primeiro trecho logo após a portaria”, explica Cecília Nakao, uma das integrantes do grupo.

Advertisement
Continua depois da publicidade

As ações são organizadas de acordo com a parceria e o acompanhamento da equipe do Parque. Estão previstos mais mutirões – o próximo será sábado (22), quando acontecerá a recuperação da estrada com o reassentamento dos bloquetes. A ação deve contar com aproximadamente 12 voluntários.

“Já recebemos matérias de construção como areia, pedra e cimento de uma loja local. A prefeitura de Dores do Rio Preto doou um caminhão de saibro. Horas de máquina (retro, trator e outros) também estão sendo doadas para ter eficiência nos trabalhos”, conta a voluntária.

Os mutirões e o envolvimento da comunidade com as ações e doações ao Parque promovem um estreitamento/conexão com a Unidade de Conservação, compartilhando a responsabilidade na preservação e na recuperação. Estas ações servirão para permitir aos visitantes o acesso e a caminhada a pé neste primeiro trecho da estrada, que é formada de mata e o rio se faz presente no percurso, trazendo frescor e um maior contato com o Parque Nacional do Caparaó.

“As aberturas posteriores da estrada dependerão dos projetos e das obras de contenção e recuperação, construção de pontes na continuação da estrada para o acampamento da Macieira. Não temos como prever a duração dos mutirões, mas pretendemos nos reunir aos sábados enquanto os trabalhos comunitários forem necessários”, completa Cecília.

Advertisement

O Parque Nacional do Caparaó foi reaberto para visitação, que está sendo realizada exclusivamente pela portaria de Alto Caparaó, em Minas Gerais, que estava fechada desde o dia 24 de janeiro. Também foram reabertos os acampamentos do Terreirão e Tronqueira. 

Números

Em 2019 o PARNA Caparaó recebeu 123.358 visitas. Além do recorde histórico, esse número representa um aumento de 51% no número de visitas na Unidade de Conservação (UC) em relação ao ano anterior. O PARNA Caparaó foi a UC mais visitada de toda a CR-11 (Coordenação Regional que abrange as unidades de conservação federais de MG, ES e Sul da Bahia) em 2019.

Gente de todo o Brasil (e do mundo) que teve a oportunidade de conhecer os encantos e a importância de uma Unidade de Conservação, destino de ecoturismo, de recreação de contato com a natureza e de educação ambiental, além de conhecer os melhores cafés do Brasil, a cultura local e contribuir com a geração de renda e emprego na microrregião.

“A portaria capixaba do parque recebeu 40 mil visitantes em 2019. Considerando uma média de consumo de R$ 100 por visitante, são R$ 4 milhões em um ano, dinheiro que circula entre pousadas, restaurantes, mercados, padarias, farmácias e lojas diversas. É uma quantia importante para a economia da região”, pontua o presidente do Circuito Caparaó Capixaba Marcelo Sanglard.

Advertisement