Política Regional

Armas apreendidas no ES poderão ir para a polícia

COMPARTILHE
Foto: Tati Beling
189
Advertisement
Advertisement

Visando economizar com o custeio de armamentos, peças e munições, o Projeto de Lei (PL) 744/2019, de autoria do deputado Dr. Rafael Favatto (Patri), propõe a incorporação ao patrimônio das Polícias Civil, Militar e Técnico-Científica armas apreendidas em ações realizadas pela Polícia Militar e Civil.

Luciano Machado apresenta PL que propõe redução de salário dos deputados durante pandemia

O deputado Luciano Machado (PV) apresentou nesta quarta-feira (1º), Projeto de Lei que prevê...

Luciana Andrade é nomeada a nova procuradora-geral de Justiça do ES

A promotora de Justiça Luciana Gomes Ferreira de Andrade foi escolhida nesta quarta-feira (25/03)...

Legislativo de Guaçuí é o primeiro no ES a realizar sessão ordinária por videoconferência

O Legislativo Municipal de Guaçuí foi o primeiro no Espírito Santo a realizar uma...

Atualmente, de acordo com o parágrafo 1º do Artigo 25 da Lei Federal 10.826/2003, as armas apreendidas no território nacional devem ser encaminhadas pela Justiça ao Comando do Exército e este decide o destino delas, doando ou destruindo os armamentos.

O deputado Favatto propõe que o arsenal apreendido seja requerido junto ao Exército pela Polícia Militar, Civil e Técnico-Científica, por meio da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Sesp), para ser utilizada pelas corporações.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Favatto argumenta que para o alto índice de criminalidade também contribui a escassez de equipamentos, “segundo pesquisas e análises dos profissionais de segurança pública, se revelam na falta de equipamentos públicos, derivada da escassez de recursos”.

Por outro lado, o autor considera também os “efeitos educacionais e sociais, pois têm o condão de alterar a forma de pensar dos líderes das organizações criminosas caso tenham conhecimento que os armamentos e munições apreendidas eventualmente serão utilizados contra os próprios criminosos”, justifica.

Tramitação

A matéria receberá a análise das comissões de Justiça; Combate ao Crime Organizado e Finanças.

Advertisement

Advertisement