Cidades

Após mobilização de familiares e amigos, moradora de Rio Novo consegue realizar cirurgia nos olhos

COMPARTILHE
545
Advertisement
Advertisement

Uma campanha de solidariedade para a moradora de Rio Novo do Sul, Cliciane Nunes Thompson, de 39 anos, conseguir fazer uma cirurgia de emergência nos olhos, alcançou o resultado esperado. Clicia, como é chamada, sofre com um problema grave nos olhos: a rosácea ocular e precisava fazer o procedimento no valor de R$ 10.500, mas não tinha condições financeiras.

Em meio à pandemia, igreja cria drive thru de oração em Cachoeiro

Após decreto estadual e municipal para evitar a propagação do novo coronavírus, cultos e...

Veja detalhes de como será o funcionamento do comércio de Cachoeiro

Na manhã desta sábado (4), a Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim prorrogou para o...

Prefeito de Cachoeiro flexibiliza abertura de comércios e serviços com medidas restritivas; confira o funcionamento

A Prefeitura de Cachoeiro atualizou, nesta sexta-feira (3), por meio de decreto, as medidas...

Após uma divulgação nas redes sociais e campanhas pela cidade, ela conseguiu o valor e realizou a cirurgia no Instituto dos Olhos, em Vila Velha. Clicia já está em casa e continua o tratamento semanal que realiza em Cachoeiro de Itapemirim e em Vila Velha. Por mês, ela gasta em média, R$ 2 mil somente com duas medicações. Na campanha “Todos pela Clicia” foi arrecadado R$ 12.417,28 em seis dias.

Emocionada com a solidariedade das pessoas, ela agradeceu a ajuda. “Agradeço primeiro a Deus e às orações de todos. Obrigada por cada contribuição que recebemos. Tenho fé que vai dar tudo certo. Ainda não estou vendo, mas vou ver”, disse Clicia.

Advertisement
Relembre a história de Clicia
Continua depois da publicidade

Para ajudar a irmã, que sofre com dores intensas e já não enxerga do olho direito, e está perdendo a visão do olho esquerdo, Patrícia resolveu fazer uma campanha nas redes sociais para ajudá-la a arrecadar o valor.

“No princípio achávamos que era algo passageiro, como uma conjuntivite normal. Os dias foram se passando e a cada dia uma descoberta nova, cada dia um diagnóstico diferente e a cada dia que se passava era de dores intensas. Moro em Cachoeiro e Clicia em Rio novo do sul. E todos os dias não deixava de pensar nela com os olhos daquele jeito, sem vida própria e o mundo aqui girando e a vida continuando e pensava: “Senhor um cabelinho nos olho já nos incomoda e a Clicia nessa situação”, e eu sabia que tinha que ajudar de alguma forma, orava ao senhor Deus para que pudesse me dá condições, me desse sabedoria para ajudá-la. E nesses 2 anos e 3 meses foi muita luta ela sofreu muito, pois o tratamento é por tempo indeterminado e no momento certo Deus me deu essa visão de realizar essa campanha Todos pela Clicia. Creio muito no poder da oração e sei que Deus está presente a todo instante ao lado dela”, disse a irmã.

Cliciane conta que trabalhava com delivery de carnes e ajudava o marido na produção de linguiças artesanais, mas o problema foi se agravando e, hoje, ela passa o dia todo deitada, no escuro, e com muitas dores. Ela conta que para suportar a dor, usa medicações a base de morfina.

Advertisement

“Eu não tenho mais vida social. Passo o dia todo no quarto escuro, porque a luz me causa dor. Só saio de casa para ir ao médico. Não trabalho mais, não consigo fazer atividades domésticas. É muito triste. Mas o pior, são as dores intensas. Há dias em que doem menos, e há dias em que doem intensamente”.

Rosácea ocular 

A rosácea ocular corresponde à vermelhidão, lacrimejamento e sensação de queimação e ardência no olho que pode acontecer como consequência da rosácea da pele, que é o caso de Clicia.

Hoje, ela sofre com um processo inflamatório grave, devido a doença, que deixa os olhos ressecados, podendo levar a perda total da visão, por isso precisou fazer a cirurgia. para colocar uma membrana amniótica, com intuito de manter os olhos hidratados e, com isso, aliviar as dores.

Ajuda

Atualmente, Clicia conta com ajuda de uma amiga para limpar sua residência, das tias e da irmã. Além do esposo e do filho de 13 anos. Após a cirurgia ela se recupera na casa da avó.

Cliciane trabalhava com delivery de carnes e ajudava o marido na produção de linguiças artesanais, mas o problema foi se agravando e, hoje, ela passa o dia todo deitada, no escuro, e com muitas dores. Ela conta que para suportar a dor, usa medicações a base de morfina.

“Eu não tenho mais vida social. Passo o dia todo no quarto escuro, porque a luz me causa dor. Só saio de casa para ir ao médico. Não trabalho mais, não consigo fazer atividades domésticas. É muito triste. Mas o pior, são as dores intensas. Há dias em que doem menos, e há dias em que doem intensamente”.

 

 

 

Advertisement