Geral

Justiça condena 33 por lavagem de dinheiro e tráfico de drogas no táxi

COMPARTILHE
17
Advertisement
Advertisement

Trinta e três pessoas foram condenadas a penas que variam de dois anos a 31 de prisão por associação e tráfico de drogas e lavagem de dinheiro na Operação Taxímetro, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Minas.

De 'portas abertas', Santa Casa se prepara para pico de infectados

Desde que o novo coronavírus saiu da China, no início do ano, a Santa...

Corte na Capes afeta pesquisa antivírus

Apesar de a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão do...

Sabesp mantém medida que deixa casas sem água à noite

A artista plástica Isabella Hohagen, de 49 anos, enche um balde e uma bacia...

A ação foi deflagrada em setembro de 2018 com apoio das Polícias Civil e Militar e cumpriu 35 mandados de prisão preventiva e 48 de buscas e apreensões.

A Taxímetro mirou organização criminosa que lavava dinheiro obtido no tráfico de drogas por meio de um táxi. O grupo era formado até por integrantes de uma mesma família e atuava nos municípios de Guanhães, São João Evangelista, São Pedro Suaçuí e Serro, no Vale do Rio Doce.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

A organização também tinha rastros criminosos em cidades maiores, como Montes Claros, no Norte de Minas, e Belo Horizonte. A Operação Taxímetro é considerada a maior operação do Gaeco na comarca de Guanhães.

Redação
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement