Política Nacional

Moro vai a Fortaleza na segunda-feira para acompanhar Operação contra motins

COMPARTILHE
28
Advertisement
Advertisement

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, desembarca na próxima segunda-feira, 24, em Fortaleza, no Ceará, ao lado dos comandantes da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e da Advocacia Geral da União, André Luiz Mendonça, para acompanhar a Operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em curso no Estado por determinação do presidente Jair Bolsonaro. Desde o início da paralisação dos policiais militares do Ceará, pelo menos 93 pessoas foram assassinadas em quatro dias. O dia mais violento foi registrado nesta sexta-feira, 21, com 37 casos.

Mandetta rebate Doria, defende Bolsonaro e diz que ninguém é dono da verdade

Ao defender um "posicionamento técnico" sobre a adoção da cloroquina no combate ao novo...

Mandetta diz que presidente passou orientações em reuniões com 'bom' clima

Em sinal de alinhamento, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçou nesta quarta-feira,...

Senado avalia recuo em 'pauta bomba' durante pandemia

O Senado avalia desistir de votar projetos de lei que representam impacto fiscal relevante...

No comando da 10ª Região Militar, os ministros participarão de um briefing sobre as atividades que estão sendo realizadas pelas Forças Armadas e pelos órgãos de Segurança Pública federais, estaduais e municipais. Logo após, a comitiva seguirá para o Palácio do Governo, onde se reunirá com o governador Camilo Santana (PT-CE).

Nove cidades cancelaram carnaval

Advertisement
Continua depois da publicidade

Mesmo com o reforço policial do Exército e das Forças Nacionais no Ceará, pelo menos nove cidades cearenses cancelaram oficialmente as festas de carnaval e vão destinar os recursos a outras ações de serviço público. Uma delas é Paracuru, na Região Metropolitana, distante cerca de 90 km da capital, onde acontece um dos festejos mais tradicionais do Estado.

A cidade já estava com toda a estrutura montada e atrações confirmadas para receber milhares de foliões, mas o prefeito Eliabe Albuquerque (PL-CE) decidiu cancelar o contrato com as bandas e desmontar o palco. “Para nós, fica muito difícil receber centenas de pessoas sem ter o amparo da polícia. O valor que seria investido vai ser destinado às ações de saúde do município”, afirmou.

Em Paraipaba, no litoral cearense; Canindé, na região central; Santana do Cariri e Milagres, na região do Cariri; São Luis do Curu e Forquilha, no Norte; Horizonte e Maranguape, na Região Metropolitana,os festejos também foram cancelados.

Nas cidades onde os desfiles foram confirmados há reforço na segurança. Em Aracati, no litoral leste, que tem o maior evento do Estado, a prefeitura divulgou que contratou efetivo de segurança particular na mesma quantidade de policiais militares que deveriam prestar o serviço no período.

Advertisement

Em Sobral, município onde o senador Cid Gomes foi alvo de dois tiros após entrar em confronto com os policiais grevistas, o carnaval está mantido com pagamento de horas extras aos policiais que estão em atividade e com a contratação de segurança privada para o reforço policial. Nas regiões serranas no Estado, a festa também é mantida na cidade de São Benedito, na Serra da Ibiapaba, também com efetivo de segurança particular. E em Guaramiranga, o tradicional Festival de Jazz & Blues também acontece normalmente.

Já em Fortaleza, nenhuma mudança. A Guarda Municipal reforça o patrulhamento em pontos estratégicos e nos sete terminais de ônibus da cidade. A capital conta ainda com 90% do efetivo de soldados do Exército e Agentes da Força Nacional. Ao todo, 2,8 mil homens fazem o patrulhamento em todo o Estado.

Afastados

Nos últimos dois dias, 168 policiais militares que aderiram ao movimento de paralisação foram afastados por determinação da Justiça Militar. As decisões foram divulgadas no Diário Oficial do Estado – 8 nomes foram publicados na quinta, 20, e uma lista com outros 160 policiais saiu nesta sexta, 21. O órgão cita caso a caso e o motivo dos afastamentos, confirmados, em nota, pela Controladoria Geral de Disciplina (CGD).

De acordo com a CGD, os policiais respondem pela participação em “condutas transgressivas”, bem como a “incapacidade de participação dos quadros da Polícia Militar”. Todos estão afastados preventivamente por 120 dias para as investigações “em virtude da prática de ato incompreensível com a função pública, gerando clamor público, tornando os afastamentos necessários à garantia da ordem pública”, justifica o documento.

Policiais Militares do Estado do Ceará decretaram paralisação das atividades por falta de acordo com o governo do Estado quanto à reestruturação salarial dos servidores. A proposta inicial havia sido aceita pelas lideranças do movimento, mas horas depois eles recuaram. Desde o dia 18 de fevereiro, viaturas da polícia e do corpo de bombeiros estão paradas, com pneus esvaziados.

Na tentativa de amenizar os efeitos da crise na segurança pública, o governador Camilo Santana solicitou o envio das tropas nacionais para ocupar as ruas de Fortaleza e interior do Estado. Ao todo, 2,5 mil homens do Exército e 300 agentes da Força Nacional reforçam a segurança estadual. As medidas estão dentro da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) decretada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Lôrrane Mendonça, especial para AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement