Economia

Taxas longas voltam a fechar em alta com exterior e cautela antes do carnaval

COMPARTILHE
21
Advertisement
Advertisement

O mercado de juros terminou com taxas de lado nos contratos até o miolo da curva, enquanto as longas voltaram a fechar com alta moderada, mantendo o ganho de inclinação que se via ontem e também hoje pela manhã. Sem novidades no dia que pudessem alterar a perspectiva para a política monetária nos próximos meses, os curtos rondaram os ajustes, enquanto os longos seguiram pressionados pela aversão ao risco no exterior, que levou o dólar para R$ 4,40 nas máximas da manhã. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 fechou em 4,185% (regular e estendida), de 4,195% ontem no ajuste, e a do DI para janeiro de 2022 passou de 4,671% para 4,68% (regular) e 4,69% (estendida). A taxa do DI para janeiro de 2027 subiu de 6,411% para 6,47% (regular) e 6,49% (estendida).

Lucro líquido da Eletrobras cai 20% e atinge R$ 10,744 bi em 2019

A Eletrobras registrou um lucro líquido de R$ 3,12 bilhões no período entre outubro...

Senado vota socorro de R$ 600 a informais na 2ª-feira

A concessão de um auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais será votada...

Bolsas de NY fecham em queda apesar de aprovação de pacote de estímulo econômico

As bolsas de Nova York fecharam em queda, mas reduziram perdas próximo ao horário...

Na semana, a curva também manteve-se inclinada, com os principais contratos de curto e médio prazo mostrando estabilidade ou ligeira redução, em torno de 5 pontos-base ante os níveis da sexta-feira passada, enquanto os DIs longos tiveram ganho de cerca de 15 pontos-base.

Em função do feriado prolongado, quando os mercados externos funcionarão normalmente na quinta e sexta-feira e os negócios locais estarão suspensos, a sessão foi marcada por movimentos de zeragens de posição, especialmente na parte da manhã. “À tarde, o mercado esteve mais neutro”, disse o trader da Quantitas Asset, Matheus Gallina.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Depois da forte disseminação do coronavírus na China, começa a preocupar agora o avanço da epidemia pelo mundo, com a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertando para o crescimento do número de casos no Irã e Coreia do Sul. Ao mesmo tempo, grandes empresas já acusam os efeitos sobre sua produção e demanda, o que vai dando ao investidor a dimensão dos estragos. No Brasil, nos últimos dias várias instituições revisaram suas estimativas para o crescimento este ano para perto de 2%.

“O mercado teve um dia de mais cautela porque vai para o feriadão. Embora considere que o risco de queda nos juros não seja muito elevado, a ponta longa começa a embutir o risco de a aversão externa pegar no câmbio e na inflação. Mas é algo incipiente, não aposta firme”, disse André Alírio, operador de renda fixa da Nova Futura.

Internamente, a agenda trouxe apenas os indicadores do setor externo em janeiro, que não chegaram a afetar diretamente a curva, mas as questões políticas continuam no radar. Nas taxas, rumores sobre uma possível saída do ministro da Economia, Paulo Guedes, que estaria com o cargo em risco por causa da fraqueza da economia, ainda não chegam a fazer preço, mas também não estimulam a tomada de risco. “O mercado reagiu até de forma tranquila ao que foi visto mais como ruído do que risco. Pegou um pouco nas inclinações”, disse o trader da Quantitas Asset, Matheus Gallina.

Denise Abarca
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement