Esporte Nacional

Uefa bane Manchester City de competições europeias nas próximas duas temporadas

COMPARTILHE
22
Advertisement
Advertisement

A Uefa anunciou nesta sexta-feira que o Manchester City foi banido das duas próximas edições da Liga dos Campeões ou de qualquer outra competição europeia e multado em 30 milhões de euros (aproximadamente R$ 140 milhões) pelo descumprimento da regras do Fair-Play Financeiro da entidade.

Turner e clubes vão negociar rompimento de parceria do Brasileirão 2020

A Turner enviou uma carta no dia 3 para os oito clubes com quem...

Time do Bayern de Munique volta aos treinamentos em pequenos grupos

Os jogadores do Bayern de Munique voltaram aos treinos em pequenos grupos, nesta segunda-feira,...

Preso há um mês no Paraguai, Ronaldinho Gaúcho usa futevôlei como passatempo

Já era quase fim de noite em 6 de março quando policiais chegaram a...

De acordo com a Uefa, o clube cometeu “violações graves” ao regulamento, um mecanismo criado pela organização para evitar que os clubes gastem valores superiores aos que forem arrecadados. A Uefa entendeu que o Manchester City tentou burlar as regras ao inflar falsamente as receitas obtidas com patrocínios entre 2012 e 2016, em uma investigação iniciada após o vazamento de documentos que demonstravam a ação ilegal e foram publicados pela revista alemã Der Spiegel.

Os documentos demonstraram que o proprietário do Manchester City, o xeque Mansour bin Zayed Al Nahyan, utilizou o patrocínio da companhia aérea Etihad, de 67,5 milhões de libras anuais (R$ 378,6 milhões), para financiar o estádio e também as divisões de base do clube inglês. A maior parte do valor viria, porém, da sua empresa, o Abu Dhabi United Group, com apenas 8 milhões de libras (R$ 45 milhões) advindo da Etihad.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

“A Câmara Adjudicatória, tendo considerado todas as evidências, constatou que o Manchester City Football Club cometeu violações graves dos Regulamentos de Licenciamento de Clube e Jogo Financeiro da Uefa, exagerando sua receita de patrocínio em suas contas e nas informações de equilíbrio enviadas à Uefa entre 2012 e 2016”, afirmou a Uefa, em comunicado oficial.

O Manchester City, em comunicado, prometeu recorrer da decisão da Uefa, levando o caso até a última instância esportiva, a Corte Arbitral do Esporte, classificando o processo contra o clube como “falho”. “Este é um caso iniciado pela Uefa, realizado pela Uefa e julgado pela Uefa”, disse o clube. “Com esse processo prejudicial encerrado, o clube buscará um julgamento imparcial o mais rápido possível e, portanto, em primeira instância, iniciará os procedimentos com a Corte Arbitral do Esporte na primeira oportunidade”, acrescentou o City.

Se mantida a decisão da Uefa, o Manchester City está fora das edições de 2020/2021 e 2021/2022 da Liga dos Campeões. Na atual temporada, o clube inglês, dirigido por Pep Guardiola, está classificado às oitavas de final e vai enfrentar o Real Madrid. O time é o segundo colocado do Campeonato Inglês, sendo que o torneio distribui quatro vagas na Liga dos Campeões – o time que ficar em quinto deve herdar, assim, uma vaga no torneio continental.

Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement