Nutrição e Boa Forma

Filhos: quando correr para o pronto-socorro?

COMPARTILHE
133
Advertisement
Advertisement

Desde o nascimento, é fundamental manter um acompanhamento médico constante da criança para monitorar o desenvolvimento do bebê e, assim, evitar possíveis problemas de saúde. Por isso, pais contam sempre com um pediatra de confiança. O grande problema é quando surge algo inesperado. Basta começa a febre que logo aparece a dúvida: devo levar meu filho para o hospital?

Continua depois da publicidade

Às vezes, é possível falar com o pediatra para esclarecer dúvida ou até mesmo passar por uma consulta. Entretanto, quando isso não é possível, os pais precisam avaliar a real necessidade de correr uma o pronto-socorro.

Quando ocorre um ferimento grave, por exemplo, é fácil saber sobre a importância de procurar uma unidade de saúde. O hospital é específico para atender casos emergenciais, como por exemplo: febres insistentes, convulsões, hemorragias e crises de asma.

Para auxiliar os pais na avaliação da gravidade e, consequentemente, da necessidade de ir até o pronto-socorro, algumas informações ajudam e muito.

Continua depois da publicidade

Febre alta

A febre é um sinal de alarme. Ela indica que algum problema existe. Mesmo assim, é preciso avaliar. Caso ela seja persistente, entre 38 e 38.5, e não baixe com a ajuda de antitérmicos indicados pelo pediatra, então é necessário levar até o hospital. Aqui, é necessário avaliar também o comportamento da criança, verificando se ela está se alimentando ou se permanece ativa.

Chiado no peito

Advertisement
Continua depois da publicidade

Outro problema comum é o chiado no peito. Quando a respiração está muito ofegante, é um indicativo de seguir para o hospital. Mas, em alguns casos, a criança está apenas com uma obstrução nasal por conta de um resfriado. Dessa forma, é indicado lavar o nariz do bebê com soro fisiológico.

Quedas

Bater a cabeça não significa correr para o pronto-socorro. Mas o problema exige atenção redobrada. Caso isso ocorra, é preciso verificar a intensidade da batida e o comportamento do filho. Em pancadas leves, avalie se a criança continua ativa, brincando. Nessas situações, mantenha a observação. Em casos mais graves, porém, é necessário consultar um médico. Aqui, alguns sintomas são: tontura, dor de cabeça, vômito, desmaio e sonolência excessiva.

Júnior Batista
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: (28) 3521-7726, [email protected].