Variedades

Embate entre Zé Celso e Grupo Silvio Santos pode ter fim

COMPARTILHE
37
Advertisement
Advertisement

Após 40 anos de disputa entre o diretor do Teatro Oficina, José Celso Martinez Corrêa e o Grupo Silvio Santos, a Lei 805/2017, que determina a implantação do Parque do Bixiga, foi votada na quarta-feira, 12, na Câmara Municipal, em sessão extraordinária. O projeto de lei segue para aprovação ou veto do prefeito Bruno Covas.

Lucas, do 'BBB 20', é recebido por Patrícia Poeta com água no 'Mais Você'

Logo após Lucas ter sido eliminado do Big Brother Brasil 20 na noite desta...

Defensoria recorre contra Sérgio Camargo na Fundação Palmares

A Defensoria Pública da União recorreu da decisão do presidente do Superior Tribunal de...

'BBB 20': Lucas é o quarto eliminado do reality, com 62,62% dos votos

Com 62,62% dos votos, Lucas foi o quarto eliminado do Big Brother Brasil 20...

A área que corresponde às ruas Jaceguai, Abolição, Japurá e Santo Amaro, na região central, é alvo de um conflito que já dura quatro décadas.

O projeto da Sisan Empreendimentos, braço imobiliário do Grupo Silvio Santos, previa a construção de três torres com 100 metros de altura, o que prejudicaria a construção do teatro concebido pela italiana Lina Bo Bardi, em 1993, e tombado em 2010 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

No entanto, em 2017, o órgão estadual do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) autorizou a construção das torres. A decisão foi acompanhada pelo Iphan, em 2018, e pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp). Além das torres, o terreno receberia um estacionamento com vaga para mil automóveis.

Após o fim da votação desta quarta, o diretor do Oficina citou os efeitos do temporal que atingiu São Paulo na segunda-feira, 10, e afirmou que a destruição pode ser solucionada. “A cidade acabou de dar um show de fim do mundo, com todos esses rios enterrados tomando as ruas e casas. O parque é o oposto dessa tragédia, será uma área repleta de árvores”, disse em uma transmissão realizada nas redes sociais.

Ainda no vídeo, Zé Celso avaliou a região e afirmou que a implantação do parque deixará impacto positivo como também posicionar a cidade em um debate sobre a preservação do meio ambiente. “Até existe verde no local, mas um verde machucado. A construção do parque representa o combate contra os estragos feitos, uma maneira de recuperação para São Paulo e para o mundo.

Em junho do ano passado, o Oficina apresentou um projeto piloto com modelo de gestão compartilhada e direcionamentos para a ocupação da área. A arquiteta cênica do Oficina, Marília de Oliveira Cavalheiro Gallmeister ressaltou que a região correspondente ao Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC e a Casa de Dona Yayá possui um lençol freático que precisa ser preservado. “É indiscutível a importância do terreno para o interesse público, são quatro décadas. É algo que a cidade precisa de forma urgente.”

A reportagem procurou os representantes do Grupo Silvio Santos, mas não obteve retorno até o momento.

Leandro Nunes
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement