Cidades

Piúma: prefeito é afastado do cargo por mais 60 dias

COMPARTILHE
Operação Rubi: prefeito de Piúma é afastado por mais 60 dias
687
Advertisement
Advertisement

O desembargador do Tribunal de Justiça, Fernando Zardini, determinou que o prefeito de Piúma, José Ricardo Pereira da Costa (PDT), permaneça fora do cargo por mais 60 dias. Ele iria retomar suas funções nesta quarta-feira (15).

Oportunidade: 24 vagas de emprego no Sine de Cachoeiro nesta quinta-feira

O Sine de Cachoeiro de Itapemirim divulgou na tarde desta quinta-feira (27), que está...

Alunos da rede municipal de Cachoeiro contam com reforço escolar, inglês e aulas esportivas

O Centro Integrado de Atividades Educacionais (Ciae) “Newton Braga”, localizado no bairro Ferroviários, está...

Festival Gastronômico de Frutos do Mar de Itapemirim 2020 já tem data definida

A Secretaria Municipal de Turismo, em parceria com a Associação Gastronômica de Itapemirim, realizou...

Em outubro do ano passado, o prefeito e o secretário municipal de Obras e Serviços, André Layber Miranda, foram afastados dos cargos por 90 dias, durante a segunda fase da operação Rubi. Eles estão proibidos de entrarem nas dependências da Prefeitura de Piúma.

A operação

Advertisement
Continua depois da publicidade

Ao todo, dez pessoas foram alvos da Operação Rubi II deflagrada na amanhã do dia 17 de outubro do ano passado, por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça Judicial e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com o apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES e da Polícia Militar.

A operação consistiu no cumprimento de dois mandados de afastamento funcional de agentes públicos, quatro mandados de proibição de acesso às dependências de órgãos públicos, e 12 mandados de busca e apreensão pelos agentes do Gaeco, sendo três em Piúma, dois em Linhares, um em Vila Velha, dois em Cariacica, um em Cachoeiro de Itapemirim, três em Anchieta, emitidos pelo juízo da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. Residência de investigados e de empresa e sócios suspeitos de integrar o esquema também foram alvos das ações.

Entre os mandados de busca e apreensão, estavam as residências do prefeito e do secretário municipal de Obras e Serviços. Também foi alvo de busca e apreensão a empresa Fortaleza Ambiental Gerenciamento de Resíduos Sólidos, bem como sócios e pessoas ligadas à administração da empresa por suspeita de envolvimento em esquema de pagamento de propina similar ao identificado na primeira fase da Operação Rubi, deflagrada em 8 de maio deste ano.

Durante a Operação Rubi II foram apreendidos documentos, celulares, passaportes dos investigados, pendrives e computadores. A partir da agora, os integrantes do MPES vão analisar os materiais apreendidos e os depoimentos de investigados e testemunhas que serão colhidos nas próximas semanas.

Advertisement

 

Advertisement