Espírito Santo

Capixaba, outra cerveja da Backer, também está contaminada

COMPARTILHE
2375
Advertisement
Advertisement

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento afirmou na noite de ontem que a marca Capixaba, cerveja que é comercializada no Espírito Santo pela cervejaria Backer, de Belo Horizonte, também está contaminada pelas substâncias tóxicas monoetilenoglicol e dietilenoglicol.

Empresários do ES pedem abertura de restaurantes com restrições aos fins de semana

Durante uma reunião online ocorrida entre o setor turístico das montanhas capixabas e o...

Setur realiza segunda etapa de pesquisa para conhecer os impactos da pandemia no turismo capixaba

A Gerência de Estudos e Negócios Turísticos (Gentur), da Secretaria de Turismo (Setur) começa,...

Troca de experiências e plano de trabalho é tema de reunião virtual entre Casagrande e embaixador dos EUA

O governador do Estado, Renato Casagrande, realizou uma reunião virtual com o embaixador dos...

Horas antes, o Ministério da Agricultura determinou, também nesta segunda, o recolhimento das 21 marcas de cerveja da Backer, inclusive da Belorizontina e da Xavante, por conterem o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol, substâncias detectadas após a realização de análises em amostras de três lotes da cerveja.

“As análises exploratórias, realizadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária nas amostras dos produtos Belorizontina e Capixaba, confirmaram a presença dos contaminantes monoetilenoglicol e dietilenoglicol”, diz a nota. “Estes produtos já estavam e continuam sendo retirados do mercado, por recolhimento feito pela própria empresa e por ações de fiscalização e apreensão dos serviços de fiscalização do Ministério”, afirma o comunicado.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Além de determinar à Backer que recolha do mercado as 21 marcas de cerveja que produz, o Ministério da Agricultura determinou o fechamento cautelar do Templo Cervejeiro da Backer, no bairro Olhos D´Água, na capital mineira, além do restaurante Três Lobos, e da fábrica da companhia, que compõem o complexo cervejeiro da Backer, companhia criada em 1998, e pioneira na produção de cerveja artesanal em Minas Gerais.

O Ministério ainda informou que foram apreendidos 139 mil litros de cerveja engarrafada e 8.480 litros de chope na sede da empresa. Também foram lacrados tanques e os demais equipamentos de produção.

“O Ministério segue atuando nas investigações e tomando medidas para mitigar o risco apresentado pelas cervejas contaminadas pelas moléculas dietilenoglicol e monoetilenoglicol. (…) Continuam as apurações para identificar as circunstâncias em que os fatos ocorreram, a fim de dar pleno esclarecimento à população”, diz a nota.

O UOL entrou em contato com a assessoria da Backer, que ainda não se manifestou sobre o assunto.

Advertisement

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.