Geral

Prefeitura do Rio conclui desocupação e fará testes em seis edifícios na Muzema

COMPARTILHE
13
Advertisement
Advertisement

A prefeitura do Rio começou uma série de testes estruturais em seis edifícios residenciais na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio. Os prédios ficam a poucos metros do local onde dois edifícios desabaram em abril do ano passado, causando a morte de 24 pessoas.

Alta procura faz máscaras cirúrgicas sumirem de farmácias do centro de SP

Farmácias do centro da capital paulista estão sem máscaras cirúrgicas nas prateleiras. Desde o...

Justiça condena 33 por lavagem de dinheiro e tráfico de drogas no táxi

Trinta e três pessoas foram condenadas a penas que variam de dois anos a...

Menina de 6 anos é presa com as mãos amarradas em escola nos EUA

Um vídeo divulgado nesta segunda de carnaval, 24, mostra o momento em que uma...

Em julho do ano passado, a Justiça do Rio autorizou a demolição dos seis prédios, que integram o Condomínio Figueiras do Itanhangá. Após protestos de moradores, contudo, a prefeitura firmou um acordo e manteve as construções. Ficou definido, porém, que as edificações precisarão passar por testes de infraestrutura, que só podem ser feitos com os prédios vazios.

O prazo dado pela prefeitura encerrou na terça-feira, 21. Mais de 95% dos moradores deixou os apartamentos ainda na terça e os últimos desocuparam na manhã desta quarta. Muitos deles, porém, relutam em sair dos imóveis alegando que precisarão se mudar para casas de parentes enquanto o futuro dos prédios não for definido, uma vez que o município não forneceu ajuda financeira.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Em nota, a Secretaria Municipal de Infraestrutura, Habitação e Conservação (SMIHC) ressaltou que a desocupação foi feita visando “a segurança das famílias” e que o laudo que atestará se os imóveis poderão ser novamente ocupados deverá ficar pronto até o fim deste mês.

A SMIHC também explicou os critérios estabelecidos para o fornecimento de ajuda financeira às famílias, através do chamado Aluguel Social. Segundo a pasta, a Subsecretaria Municipal de Habitação fez um levantamento da situação dos moradores e verificou que a maioria não se enquadra nos limites definidos pela legislação.

“O Auxílio Habitacional Temporário é regido por lei. Não há alternativa legal para nenhum pagamento de auxílio por parte do poder público nesse caso. Até o momento, não há famílias dentro do enquadramento – regido por lei – para recebimento do auxílio”, informou a SMIHC.

“Dentre as normas para receber o aluguel social, está a que determina a renda bruta familiar mensal de até R$ 1.800, conforme a Lei Federal 8.742/1993 e o decreto municipal 44637/18”, pontuou a pasta. “A grande maioria dos moradores não é proprietária (dos imóveis), mas locatária.”

Ao Estado/Broadcast, a Defensoria Pública, que acompanha a situação, informou que os testes na estrutura foram pedidos pelos próprios moradores. O órgão declarou ainda que “causou estranhamento o fato da prefeitura ter publicado um edital de licitação para demolição antes do resultado desses testes”. Segundo a Defensoria, “com a realização dos testes, se atestada a segurança, aguarda-se que a prefeitura mantenha os moradores no local, sem qualquer intenção de remoção, e que promova a regularização fundiária, como permite a lei. Na hipótese de ser atestado risco insanável, que seja observado o direito social fundamental à moradia digna e promovida uma alternativa habitacional.”

Marcio Dolzan
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement