Economia

Fila de pedidos em atraso será zerada em seis meses, diz presidente do INSS

COMPARTILHE
61
Advertisement
Advertisement

O remanejamento de 2,1 mil servidores do INSS para reforçar a análise de benefícios vai permitir ao governo cumprir o prazo de seis meses para acabar com a fila de requerimentos atrasados, disse nesta terça-feira, 14, o presidente do INSS, Renato Vieira.

Para OMC, mecanismo de disputa vai ter que mudar para lidar com novas condições

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, reconheceu nesta terça-feira, 21,...

ONS espera geração total de Belo Monte para reduzir impacto na conta de luz

Até o dia 24 de janeiro o Operador Nacional do Sistema (ONS) estima operar...

Vendas e compras de aço da rede de distribuição sobem em dezembro, diz Inda

A rede de distribuição comprou nas siderúrgicas em dezembro 291,2 mil toneladas de aço...

O governo anunciou hoje a contratação de até 7 mil militares da reserva das Forças Armadas para reforçar a atuação do INSS num momento em que crescem as reclamações sobre a fila de espera, que tem 1,3 milhão de pedidos sem resposta há mais de 45 dias, prazo legal para o atendimento.

Parte dos militares será direcionada ao atendimento nas agências, em substituição aos servidores do próprio órgão, que serão remanejados para a análise dos benefícios.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Mesmo assim, haverá ainda uma “gordura” de aproximadamente 5 mil militares contratados que poderão ser remanejados, se houver necessidade, ou trabalharão para fazer frente à demanda extra esperada pelo INSS nos próximos meses.

Como o governo vai dar início efetivo às perícias médicas para reanalisar benefícios já concedidos, como aposentadorias, auxílios e o Benefício de Prestação Continuada (BPC, pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda), a expectativa é que haja maior movimento nas agências. Daí a necessidade de contratar mais militares.

Os reservistas receberão um adicional de 30% sobre a remuneração, que será pago pelo INSS. O custo é de R$ 14,5 milhões ao mês. A estimativa é que a contratação dure nove meses, mas esse prazo pode ser prorrogado em caso de necessidade, informou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho.

Idiana Tomazelli
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Advertisement
Publicidade