Variedades

Armadas e perigosas, Sandra e Melissa divertem

COMPARTILHE
36
Advertisement
Advertisement

Bem-amada, Sandra Bullock sempre foi. Tendo se iniciado como heroína de ação nos anos 1990, com filmes como O Demolidor, Velocidade Máxima e A Rede, logo ela estava mudando o perfil para ingressar numa fase de filmes mais leves e românticos. O estouro ocorreu com Miss Simpatia, que teve direito a continuação.

Após anunciar gravidez, Mariana Rios revela que sofreu aborto espontâneo

Mariana Rios fez um post no Instagram neste sábado, 11, no qual revela ter...

Maternidade recebe reclamações após Giovanna Ewbank divulgar foto do filho

Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso divulgaram pela primeira vez uma foto do filho recém...

Os rumos de Johnny Massaro

Quando, em janeiro, o ator Johnny Massaro, 28, terminou as agitadas filmagens do longa...

Transformada numa figura de ponta da indústria do entretenimento, foi a atriz que mais faturou, segundo o Guinness Book of World Records de 2012. Somando popularidade ao prestígio, ganhou o Oscar por Um Sonho Possível e foi a estrela (quase) solitária de Gravidade, pelo qual Alfonso Cuarón recebeu o prêmio de direção de 2013, iniciando o reinado dos mexicanos que prosseguiu com Alejandro González Iñárritu (Birdman e O Regresso), Guillermo Del Toro (A Forma da Água) e culminou com o segundo Oscar de Cuarón, por Roma.

Sandra, que tem um nome do meio pouco conhecido – Annette -, pegou em armas no papel da agente do FBI que se infiltra e vence o concurso de Miss Simpatia. Eis que ela, de novo como agente do FBI e agora em dupla com Melissa McCarthy, estrela As Bem-Armadas. A comédia de Felix Feig é a divertida atração do canal Fox, às 6 da tarde. Prepare-se para rir bastante.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

A ideia do roteiro de Katie Dippold é criar uma dupla improvável. Sandra faz uma agente chatinha – Sarah Ashburn – que as circunstâncias forçam a se unir com Melissa na caçada a um narcotraficante. Melissa faz a detetive Shannon Mullins, que tem a boca mais suja do departamento de polícia de Boston. As duas passam o tempo mais brigando entre si do que correndo atrás do criminoso, mas é claro que chegam lá.

Embora siga o figurino das histórias de duplas de policiais – com mulheres no lugar de homens -, As Bem-Armadas destaca-se pela empatia das atrizes e por piadas ótimas, propiciadas pela história e que não parecem nem um pouco forçadas. É assim que surge um personagem albino, aparecem umas pinturas de Jesus como atleta e, lá pelas tantas, nossa policial preferida tem de usar uma cinta sob a roupa.

Buscando a aproximação com um ‘buddy cup movie’ tradicional, pode-se comparar As Bem-Armadas a Máquina Mortífera, com Melissa como a versão feminina do incontrolável Mel Gibson e Sandra como Danny Glover, preocupada com a carreira e a ordem. No que não deixa de ser sintomático dos preconceitos que regem a indústria, Melissa virou um nome, como a própria Sandra, assumindo o físico fora dos padrões e renovando o papel da gorda sem superego, mas com o coração do tamanho de um ônibus.

Melissa sempre disse que esse tipo de papel era só uma fase. Chegou a ser indicada para o Oscar numa personagem dramática em Poderia Me Perdoar?, no ano passado. Se o filme merece alguma ressalva é por um aspecto não pouco negligenciável – é violento, demais para uma diversão leve.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Luiz Carlos Merten
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.