Variedades

Documentário exalta obra de Adoniran

COMPARTILHE
15
Advertisement
Advertisement

Seus sambas não combinavam com a imagem de cidade pulsante e progressista, mas Adoniran Barbosa (1910-1982) exibiu como poucos a face humana de São Paulo, especialmente a mais pobre, malandra, criminosa. É esse personagem, que tão bem traduzia a picardia do paulistano, o tema de Adoniran – Meu Nome é João Rubinato, documentário de Pedro Serrano que terá pré-estreia apoiada pelo jornal O Estado de S. Paulo, nesta terça-feira, 14, no cine Petra Belas Artes.

Após anunciar gravidez, Mariana Rios revela que sofreu aborto espontâneo

Mariana Rios fez um post no Instagram neste sábado, 11, no qual revela ter...

Maternidade recebe reclamações após Giovanna Ewbank divulgar foto do filho

Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso divulgaram pela primeira vez uma foto do filho recém...

Os rumos de Johnny Massaro

Quando, em janeiro, o ator Johnny Massaro, 28, terminou as agitadas filmagens do longa...

A sessão começa às 21h, mas os ingressos gratuitos começam a ser distribuídos a partir das 19h30, na bilheteria do cinema. Após a exibição, começa um debate entre o diretor e os críticos do Caderno 2 Luiz Carlos Merten e Julio Maria.

Autor de sucessos como Trem das Onze e Saudosa Maloca, Adoniran é apontado como um dos maiores sambistas paulistas. Sua forma peculiar de falar, no entanto, com forte sotaque italiano, nem sempre é lembrada, o que torna o documentário ainda mais especial ao resgatar imagens de arquivo raras e pouco vistas.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O envolvimento de Serrano com a figura de Adoniran (João Rubinato era seu nome oficial) começou em 2015, quando dirigiu o curta Dá Licença de Contar, com o músico Paulo Miklos interpretando Adoniran. Um trabalho de fôlego. “Meu primeiro desafio foi fazer um personagem real e tão presente ainda no imaginário do brasileiro. Ele veio do rádio, dos programas de humor, e esse personagem acabou tomando vida e se transformando no Adoniran”, contou Miklos.

O curta circulou por festivais, ganhou prêmios, e Serrano recebeu proposta de uma distribuidora para transformar a produção em longa-metragem. E um projeto foi levando a outro. Para preparar o longa, Serrano começou um processo de pesquisa e entrevistas. Nesse período, percebeu que, apesar da veneração ao personagem, não havia um filme que recuperasse a trajetória de Adoniran. Isso só aumentou sua disposição de finalmente realizar um.

Afinal, passados quase 30 anos da morte do músico, a percepção de sua importância só aumentou. Além da importância de suas canções, que retratam com fidelidade a rotina de uma parcela da população de São Paulo, Adoniran nunca escondeu o esforço que assumiu para divulgar seu trabalho, algo que só aconteceu na fase final da vida, quando foi exaltado pela crítica e pelos colegas, chegando a ser gravado por nomes como Elis Regina.

Serviço:

ADONIRAN – MEU NOME É JOÃO RUBINATO

CINE PETRA BELAS ARTES. RUA DA CONSOLAÇÃO, 2.423. 3ª (14/2), 21H. GRÁTIS. INGRESSO A PARTIR DAS 19H30.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ubiratan Brasil
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.