Cidades

Sobrado do século XIX que abrigou Câmara de Itapemirim será restaurado pela Prefeitura

COMPARTILHE
DCIM100MEDIADJI_0306.JPG
475
Advertisement
Advertisement

O histórico sobrado onde funcionou a Câmara de Itapemirim e a Cadeia Municipal no século XIX será restaurado. A assinatura da ordem de serviço de reforma e restauração acontecerá nesta quarta-feira (4), a partir das 16h, na praça Barão de Itapemirim. Para o prefeito, Thiago Peçanha Lopes, essa é mais uma vitória para o município, uma vez que este é um antigo sonho da sociedade itapemirinense e dos amantes da arte e da cultura.

Continua depois da publicidade

Segundo o prefeito, após a conclusão da obra, o prédio, que tem imensurável valor histórico e arquitetônico, vai abrigar a sede da secretaria de Cultura, a Biblioteca Pública Municipal “Thomé de Souza Machado” e o Memorial 14 de Maio.

Contexto histórico

A edificação do antigo prédio onde funcionou a primeira Casa de Leis é remanescente do Século XIX e, de acordo com o arquiteto Genildo Hautequestt, das janelas de seu palacete construído estrategicamente na colina da fazenda Santo Antônio de Muqui, o barão de Itapemirim conseguia acompanhar o movimento no porto e vigiava quem entrava e saía do prédio da Câmara Municipal, que centralizava o poder municipal naquela época.

Continua depois da publicidade

O edifício, localizada à rua Coronel Marcondes de Souza, é bem tombado como Monumento Histórico Municipal pela Lei nº 1.785/03 e pertence ao município. Sua estrutura, de dois andares, atualmente sofre com a ação de cupins, pois toda a sustentação do edifício é feita em madeira.

Em Itapemirim, a instalação da Câmara Municipal ocorreu em 9 de agosto de 1816, quando também foi instalado o Pelourinho, no entanto, até a aquisição da sede própria, as sessões semanais aconteciam, geralmente, na casa do juiz municipal. Somente na sessão do dia 17 de agosto de 1857, presidida pelo capitão Francisco Gomes Bittencourt, que os vereadores aprovaram a compra de um sobrado que, à época, foi adquirido pelo montante de 10 contos de Réis, que pertencia à senhora Josefa de Pinho Souto Belo, viúva de um grande fazendeiro que no século XIX possuía fazenda na localidade de Safra.

No prédio também funcionaram a Cadeia Pública, o Salão do Júri, a Sala das Sessões, o depósito de pólvora e munições, além de ter abrigado a sede da prefeitura. Segundo o historiador Levy Rocha (1980), em algumas salas do térreo existiam grades de madeira e de ferro nas janelas e portas em que os presos ficavam.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Dos antigos municípios do litoral capixaba, Itapemirim é o único que ainda possui estrutura da antiga Casa da Câmara e Cadeia, cuja sede legislativa funcionou até o início dos anos 2000.

 

 

 

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].