Geral

Especialista dá dicas de como começar 2020 com as contas equilibradas

COMPARTILHE
124

Com a chegada das festas de fim de ano e período de férias, muitos consumidores acabam perdendo o controle financeiro e, por impulso, gastam além do que cabe no orçamento e iniciam o ano novo já com a temida “corda no pescoço”.

Caminhoneiros, empresários e governo discutem cálculo do frete

Diante da complexidade que é a definição dos custos do transporte de cargas nas...

Doria se diz chocado com vídeo de agressão de PM em baile funk

Após a morte de nove pessoas em um pancadão de Paraisópolis, a gestão João...

Vai para entrevista de emprego? Saiba como responder às perguntas sem se prejudicar

Em um processo seletivo, os candidatos passam por diferentes atividades para avaliar a sua...

O saque extra do FGTS e o pagamento do 13º salário chegam como possibilidade de renegociação das dívidas, e uma opção para limpar o nome no SPC/Serasa. Cerca de 44 milhões de trabalhadores, em todo o Brasil, segundo o Governo Federal, resgataram R$ 18,9 bilhões, por meio do saque imediato do FGTS.

Mas, como equilibrar as contas e conciliar o lazer em um dos períodos mais consumistas do ano? A terapeuta financeira Aline Soaper destaca que a principal dica é saber quais são as reais necessidades, prioridades e possibilidades das famílias de cada consumidor. É importante que façam uma lista do que estão realmente precisando e pesquise bastante antes de efetuar a compra.

Continua depois da publicidade

“Esse período de comércio em alta, com a Black Friday, por exemplo, é um perigo para quem não tem clareza do que quer, do que precisa e do que pode comprar. Cada nova oferta vira uma armadilha para a compra, por impulso e para o endividamento”, disse a especialista.

O fato é que o dinheiro chega exatamente no período em que as pessoas estão mais propensas a gastar com supérfluos, como presentes, festas e roupas. Todo cuidado é pouco! De acordo com a Aline, voltar para as dívidas é muito fácil, principalmente para quem já se endividou alguma outra vez. Outra dica importante é evitar usar o cartão de crédito.

 

“Nesta situação o ideal é pagar à vista, aproveitar o dinheiro extra que entra e se programar para não entrar em dívidas novamente. Escolher programação de lazer que sejam mais econômicas e evitar usar o cartão de crédito são algumas das dicas”, afirma a terapeuta financeira.

Caso inicie o ano e perceba que se endividou durante esse período, a terapeuta explica que o caminho é procurar uma forma de renda extra para não ficar no sufoco e honrar os compromissos. Ela ressalta, ainda, que fazer empréstimos para quitar as dívidas só é uma boa opção caso os juros da dívida forem muito altos e os juros do empréstimo forem menores.

“Se perder o controle das finanças é preciso fazer renda extra para a dívida não crescer. Contar apenas com o salário pode não ser uma boa estratégia, já que as despesas mensais continuam. Empréstimo só vale a pena quando os juros da dívida forem muito altos e o empréstimo feito tiver juros menores. Mesmo assim é preciso fazer conta para saber se a parcela do empréstimo cabe no orçamento mensal e é necessário que não faça mais dívidas. Conscientização é importante para sair das dívidas e para ter uma saúde financeira”, completa.

Uso do 13º salário

Para quem está no vermelho, uma excelente opção é usar o dinheiro do 13º salário para pagar dívidas e começar 2020 com o nome limpo. Primeiro, porque as dívidas são um problema por si só, mas também acarretam outras consequências, como não ter acesso a crédito; ser impedido de abrir uma conta em banco; não conseguir alugar imóvel; ser removido de um processo seletivo, entre muitos outros.

Para o professor de inglês Alberto Malfacini, 38 anos, o 13º salário veio em ótima hora, pois terá que arcar com uma cirurgia inesperada, feita às pressas no último mês. Ele conta que pretende pagar um empréstimo que pegou para a operação, e também vai quitar as prestações feitas para montar o seu equipamento de guitarra.

“Neste ano, estava tudo certo para quitar minhas dívidas, mas acabei tendo que fazer um procedimento cirúrgico, que trouxe gastos altos que eu não estava esperando que viesse”, relata Malfacini.

Quitar as dívidas é o objetivo da recepcionista Paula Pereira de Souza Bernardo, 23 anos. Ela conta que com dinheiro na mão fica muito mais fácil fazer propostas e conseguir excelentes descontos, principalmente se você optar por pagar à vista.

 

“Poderia até usar o 13º na Black Friday, mas não acredito muito nesse tipo de promoção. Fiz umas pesquisas neste ano e acabei encontrando alguns produtos que estão realmente com bons descontos. Mas, no meu caso, quero mesmo é pagar algumas contas e comprar presentes para os meus sobrinhos”, afirma Paula.

A auxiliar de informática Elaine Gomes Campos, 32 anos, também planejou quitar as dívidas para entrar 2020 sem dívida. Ela conta que pretende comprar somente o necessário neste fim de ano. “Tem que pesquisar bastante, conferir os preços antes da promoção, comparar com outras lojas, para não acabar comprando errado. Eu pretendo comprar somente o necessário mesmo para finalizar o ano”, diz Elaine.

Outra boa alternativa é guardar o 13º para compras depois deste período. É o que pretende fazer a auxiliar de informática Luana Rodrigues Rosse, 35 anos. “O melhor planejamento para entrar 2020 é sem dúvida não fazer dívidas. Pretendo guardar o meu 13º para usá-lo após esse período de festas, pois as coisas na rua costumam ficar mais baratas depois do período”, destaca Luana.

 

Publicidade