Economia

Grandes teles querem mais espaço na disputa

COMPARTILHE
13
Advertisement
Advertisement

A maior preocupação das grandes teles – Claro, Vivo, TIM e Oi – em relação ao 5G está na quantidade de espectro que poderão obter no leilão. Para que tenham possibilidade de ofertar velocidade de 1 gigabit por segundo, teriam de comprar pelo menos 100 MHz, diz o presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude. “Temos quatro grandes operadoras. Na divisão proposta inicialmente só haveria espaço para três”, afirma.

Trégua comercial da China com EUA deve garantir superávit em conta corrente

A China deve manter um pequeno superávit em conta corrente em 2020, graças à...

Superávit da balança comercial brasileira recua em 2019, revela FGV/Icomex

O superávit da balança comercial brasileira diminuiu de US$ 58 bilhões em 2018 para...

FGV: IPC-S desacelera em 4 de 7 capitais avaliadas na 2ª quadrissemana de janeiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) mostrou alívio em...

Em relação a essas críticas feitas à primeira versão do edital, o conselheiro Vicente Aquino destaca que, além dos 250 MHz já reservados a essas empresas, elas poderão compor seu portfólio com as sobras da etapa de disputa das pequenas.

Tude avalia que esse cenário é o mais provável de ocorrer. “Acho pouco provável que não haja sobras. Mas, se não houver, 250 MHz é pouco para quatro. O conflito vem da escassez. Nesse cenário, teríamos um 5G de velocidade mais baixa.”

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Operadoras regionais têm se destacado na expansão das redes fora dos grandes centros e no interior do País. Além da Algar, no triângulo mineiro, empresas como Brisanet e Mob Telecom têm expandido atuação no Nordeste, assim como a Vero, do grupo Vinci Partners, em Minas Gerais.

Representante das maiores teles, o presidente executivo do Sinditelebrasil, Marcos Ferrari, defende um leilão com foco em investimentos e não em arrecadação, e a maior segurança regulatória possível. Entre temas que precisam ser resolvidos antes do leilão, segundo ele, está a adaptação à lei geral de antenas – não cumprida por muitos municípios, inclusive São Paulo.

“A tecnologia 5G vai precisar de cinco a dez vezes mais antenas do que o 4G. A grande maioria dos municípios não se adaptou à nova lei, e isso cria insegurança jurídica e falta de previsibilidade para o leilão”, diz Ferrari.

Outra cobrança das teles é pela mudança na tributação da Internet das Coisas (IOT). Hoje há incidência de taxas e impostos sobre cada chip ativo. “Se não houver tributação zero, será inviável.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Anne Warth
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Publicidade