Variedades

Margot e sua nova versão de Arlequina

COMPARTILHE
22
Advertisement
Advertisement

Margot Robbie foi triunfal no painel da Warner, na quinta-feira, sobre Aves de Rapina. Acompanhada pela diretora Cathy Yan e por colegas de elenco (Mary Elizabeth Winstead, Rosie Perez, etc.), ela veio apresentar o longa ‘da Arlequina’ na CCXP. Na sexta, 6, deu entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo num hotel de luxo da região de Panamby, junto ao exuberante Parque Burle Marx.

Paródia dos telejornais

O humorístico Tá No Ar encerrou sua trajetória no ano passado, na sexta temporada,...

Fellini criou um mundo falso para refletir sobre sentimentos reais

Federico Fellini tinha 32 anos quando fez seu primeiro longa solo, em 1952. Dois...

Fellini para o século 21

Na primeira cena, o menino abre a janela e vê a lona sendo levantada....

O filme estreia em 6 de fevereiro. Mais duas semanas e o Brasil inteiro estará entregue aos festejos de Momo. Carnaval! “Eu sei, deveria voltar”, diz Margot. E acrescenta: “Estive aqui anos atrás, numa viagem pessoal. Diverti-me muito”.

Em Aves de Rapina, Margot retoma a personagem dos comics que interpretou em Esquadrão Suicida, de David Ayer, há três anos. Embora tivesse mulheres fortes (a Arlequina de Margot, as personagens de Viola Davis, Cara Delevingne e Karen Fukuhara), o filme era predominantemente masculino, e não vingou. Mas Margot formava uma dupla bem dinâmica com o Coringa de Jared Leto. “Éramos um casal disfuncional, mas divertido”, ela define. “Adorei trabalhar com Jared, ele vai fundo no papel, se compromete, e eu gosto disso.”

Advertisement
Continua depois da publicidade

Na volta de Arlequina, tudo mudou, a começar pela direção, entregue a uma mulher – Cathy Yan. Jovem e bela, ela dirigiu anteriormente Dead Pigs em Shangai. Faz uma estreia que parece muito auspiciosa – pelo trailer, verifique – no cinema de ação (e blockbuster). Arlequina e Coringa chegaram ao fim da linha e ela inicia nova fase. Forma grupo de mulheres poderosas que, logo em seguida, está partindo para a luta para proteger uma garota.

Advertisement

Ops! É uma frase do trailer – “Nunca chame uma mulher de garota. Chame até de vaca, mas não de garota.” Arlequina está botando para quebrar. Explica para a tal ‘jovem’ a origem de seu nome – Arlequim vive para servir, precisa de um amo e isso é tudo o que ela não quer. Boa deixa para perguntar – Margot teve uma ascensão meteórica em Hollywood. Em pouquíssimo tempo, cavou seu espaço, obteve reconhecimento e ganhou até indicação para o Oscar de melhor atriz – por Eu, Tônia, de Craig Gillespie. No início, talvez, ela tenha ficado um pouco à sombra de nomes mais consagrados, e de atores como Leonardo DiCaprio em O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese. Pode-se comparar a frase da personagem com a trajetória da atriz? “Entendo o que você quer dizer, e é verdade. Tenho hoje uma visibilidade muito maior, não me sinto à sombra de ninguém. Mas essa é só uma forma de encarar as coisas, porque o cinema é uma arte colaborativa e, como atriz, tudo o que não quero é me alçar a um posto em que fique sozinha. Gosto muito do diálogo, de interagir, e os melhores momentos no set são aqueles em que estou contracenando.”

No painel da CCXP, ela disse uma coisa interessante. Que se define como feminista, mas não acha que só mulheres o devam ser. Homens também podem. Como, Margot? “Não estou falando em ideologia feminista, o que é importante, mas em igualdade de gênero. Defendo que as mulheres devam ter as mesmas oportunidades e o mesmo reconhecimento que os homens. O mundo evoluiu muito e a indústria do cinema tem sido um espelho dessa mudança. Os filmes refletem esse novo movimento por igualdade de gênero. As mulheres não estão mais submissas, não somos objetos. E os homens estão se dando conta de que só terão a ganhar sendo parceiros nesse processo.”

No filme, Arlequina tem aquele porrete com que bate e arrebenta. Como foram as cenas de ação? “Dão trabalho, exigem muita preparação física, mas são divertidas. Batemos como mulheres empoderadas, não como homens.”

Ainda o trailer – Margot tem seu momento Marilyn Monroe. Glamour e sensualidade. “Você viu?” A diretora explicou ao repórter que tem tudo a ver com a trama. “Marilyn cantava que os diamantes são os melhores amigos das mulheres, e os diamantes são parte decisiva da nossa trama, o que tornou legítima a referência.” E como foi para Margot esse momento Marilyn? “Também exigiu preparação, uma coreografia especial. Fiz com gosto. Marilyn é um ícone.” E Arlequina? “Não sei por que as pessoas gostam tanto dela.” O repórter explica – por sua causa, Margot.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Luiz Carlos Merten
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Publicidade