Política Regional

Saúde e oportunidades de emprego são as prioridades da população de Divino de São Lourenço, revela pesquisa

COMPARTILHE
89
Advertisement
Advertisement

Nesta edição, o AQUINOTICIAS.COM mostra qual é a prioridade da população de Divino de São Lourenço, como é avaliada a idoneidade do prefeito Eleardo Brasil (MDB) e como votariam os eleitores numa possível candidatura do atual gestor à reeleição.

Soraya Manato quer garantia da sustentação oral em julgamento que antecipa o mérito

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados analisará,...

Marataízes: Tininho contraria clamor popular e aprova aumento de salários de vereadores, prefeito e vice

O prefeito de Marataízes, Robertino Batista, o “Tininho”, contrariou o clamor popular e sancionou...

PL que obriga atendimento prioritário a pessoas com Síndrome de Down é aprovado na Ales

A Assembleia Legislativa do Espírito Santo aprovou nesta quarta-feira (11), o projeto de lei...

A pesquisa do Instituto Solução ouviu 396 moradores da área urbana e interior da cidade nos dias 8 e 9 deste mês.

No quesito idoneidade, para 35,61% dos entrevistados, Eleardo Brasil é um prefeito honesto; 26,01% afirmam que o gestor é desonesto.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Quando a pergunta é: O que o município de Divino de São Lourenço mais precisa hoje? A maioria dos entrevistados, 48,48%, disse que a cidade precisa de oportunidade de empregos; 30,05% querem mais investimentos em saúde; 11,11% pedem apoio à agricultura; 5,56% querem mais cursos de capacitação profissional; ruas calçadas e estradas patroladas é prioridade para 3,54%; outros 1,01% pedem mais festas e lazer.

Dos entrevistados, 44,44% dizem que as obras realizadas pela administração estão atendendo as demandas dos moradores parcialmente; totalmente correspondem a 3,79%; para 31,82% está deixando a desejar; os que estão decepcionados correspondem a 18,18%.

Advertisement

Se as eleições fossem hoje e Eleardo Brasil fosse candidato à reeleição, 28,79% votariam para ele continuar administrando a cidade; outros 50,25% dizem que não votariam nele.

 

 

 

 

 

Advertisement
Publicidade