Política Regional

Justiça determina que blogueiro apague mensagens caluniosas contra a prefeita de Guaçuí

COMPARTILHE
851
Advertisement
Advertisement

Em nova liminar, a Justiça determinou que o blogueiro e radialista Jupiassu Rosa Albino, conhecido como “Max Gil”, e o administrador do grupo de Facebook chamado Boca no Trombone 2, João Batista de Almeida Proveti, retirem das redes sociais vídeos e comentários com caráter caluniosos contra a prefeita de Guaçuí, Vera Costa (PDT).

Deputado propõe que Governo do ES flexibilize linhas de crédito para cooperativas ligadas ao Sistema OCB

O deputado estadual Bruno Lamas (PSB) propôs ao governo do Estado que flexibilize linhas...

Legislativo capixaba aprova regras para reabertura de templos religiosos

Foi aprovado nesta quarta-feira (8), em regime de urgência, durante a sessão ordinária virtual...

Em biografia de vida pública, ex-prefeito de Castelo, Piassi, fala sobre seu processo de cassação

O ex-prefeito de Castelo, Luiz Carlos Piassi (MDB), que governou a cidade em três...

Segundo os autos do processo Nº 5001310-33.2019.8.08.0020, que pede indenização por danos morais no valor de R$ 35 mil, há aproximadamente dois meses Max Gil e João Batista “vem postando comentários injuriosos e difamatórios contra a prefeita, na rede social Facebook, bem como no canal do YouTube denominado Chumbo Grosso”.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Por tais motivos, Vera Costa entrou com ação pleiteando indenização por danos morais e, inclusive em sede de antecipação de tutela, pedindo que os envolvidos apaguem os referidos comentários/vídeos das redes sociais.

O Juiz de Direito Eduardo Geraldo de Matos entendeu, em decisão proferida nesta quarta-feira (20), que Max Gil e João Batista cometeram abusos, e determinou que Max Gil e João Batista apaguem as publicações no prazo de 48 horas, sob pena de multa diária no valor de R$ 100,00, limitada a R$ 10 mil, sendo revertida em favor da prefeita. Eles também estão proibidos de fazer novas publicações citando Vera Costa.

Por telefone, João Batista disse que não vai comentar o caso, pois não foi notificado oficialmente. A reportagem não conseguiu contato com Max Gil até o fechamento desta matéria.

Veja o processo detalhado clicando aqui.

Advertisement

Outra decisão

Na última semana, em outro processo por danos morais, Max Gil e João Batista foram proibidos de fazer publicações citando o vereador de Guaçuí, Paulinho do Vitalino (PSDB), que também foi vítima dos envolvidos.

Em caso semelhante, a Justiça determinou que os envolvidos apaguem mensagens e vídeos com teor caluniosos contra o parlamentar.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.