Política Regional

Justiça determina que blogueiro apague mensagens caluniosas contra a prefeita de Guaçuí

COMPARTILHE
781

Em nova liminar, a Justiça determinou que o blogueiro e radialista Jupiassu Rosa Albino, conhecido como “Max Gil”, e o administrador do grupo de Facebook chamado Boca no Trombone 2, João Batista de Almeida Proveti, retirem das redes sociais vídeos e comentários com caráter caluniosos contra a prefeita de Guaçuí, Vera Costa (PDT).

PL que obriga atendimento prioritário a pessoas com Síndrome de Down é aprovado na Ales

A Assembleia Legislativa do Espírito Santo aprovou nesta quarta-feira (11), o projeto de lei...

Câmara de Marataízes aprova e caberá a Tininho dar aumento nos salários de vereadores, prefeito e vice

Em tempo recorde a Câmara Municipal de Marataízes votou e aprovou na noite desta...

Marataízes: reajuste salarial de vereadores, prefeito e vice terá impacto de R$ 3,2 milhões aos cofres públicos

Se a proposta de reajuste salarial dos salários dos vereadores, prefeito e vice for...

Segundo os autos do processo Nº 5001310-33.2019.8.08.0020, que pede indenização por danos morais no valor de R$ 35 mil, há aproximadamente dois meses Max Gil e João Batista “vem postando comentários injuriosos e difamatórios contra a prefeita, na rede social Facebook, bem como no canal do YouTube denominado Chumbo Grosso”.

Continua depois da publicidade

Por tais motivos, Vera Costa entrou com ação pleiteando indenização por danos morais e, inclusive em sede de antecipação de tutela, pedindo que os envolvidos apaguem os referidos comentários/vídeos das redes sociais.

O Juiz de Direito Eduardo Geraldo de Matos entendeu, em decisão proferida nesta quarta-feira (20), que Max Gil e João Batista cometeram abusos, e determinou que Max Gil e João Batista apaguem as publicações no prazo de 48 horas, sob pena de multa diária no valor de R$ 100,00, limitada a R$ 10 mil, sendo revertida em favor da prefeita. Eles também estão proibidos de fazer novas publicações citando Vera Costa.

Por telefone, João Batista disse que não vai comentar o caso, pois não foi notificado oficialmente. A reportagem não conseguiu contato com Max Gil até o fechamento desta matéria.

Veja o processo detalhado clicando aqui.

Outra decisão

Na última semana, em outro processo por danos morais, Max Gil e João Batista foram proibidos de fazer publicações citando o vereador de Guaçuí, Paulinho do Vitalino (PSDB), que também foi vítima dos envolvidos.

Em caso semelhante, a Justiça determinou que os envolvidos apaguem mensagens e vídeos com teor caluniosos contra o parlamentar.

Publicidade