Cidades

Conferência debateu políticas de segurança alimentar e nutricional em Cachoeiro

COMPARTILHE
46

Em sua III Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Cachoeiro de Itapemirim abriu espaço para refletir sobre as políticas públicas implementadas na busca da garantia da alimentação adequada a todos os cidadãos. Também elaborou propostas para serem enviadas para debates estaduais sobre o assunto. O evento foi realizado, nesta sexta (22), no Centro Universitário São Camilo, ao longo do dia.

Assista a edição deste sábado (7) do programa Top Show pelo AQUINOTICIAS.COM

O programa Top Show, apresentado por Parraro Scherrer, deste sábado (7), está no ar...

Fim de semana repleto de atrações culturais e de lazer para os cachoeirenses

Para aqueles que gostam de atividades artísticas e culturais, o fim de semana, em...

Após fortes chuvas, casa desaba em Mimoso do Sul

Uma residência veio abaixo após as fortes chuvas que caíram na madrugada deste sábado...

Entre os presentes, estavam representantes do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (Consean); do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional e de organizações sociais e do poder público. Dentre os quais, o prefeito de Cachoeiro, Victor Coelho, que destacou a importância de se continuar trabalhando para o fortalecimento das políticas públicas voltadas para a área.

“É um prazer e uma honra realizar mais uma conferência de segurança alimentar. O trabalho realizado, em Cachoeiro, é uma sequência de uma década de boas práticas, que incluem o Banco de Alimentos, que hoje já é uma referência no assunto e está se fortalecendo. Quando assumimos, comprávamos 80% do que precisávamos e 20% vinham de doações. Hoje, 53% são de aquisição e 47% de doação, o que mostra que as pessoas da cidade, cada vez mais, acreditam nas políticas públicas para a área”.

Continua depois da publicidade

Depois da abertura, houve a palestra magna “Chega de violação, queremos a garantia e o direito à alimentação adequada”, proferida pelo palestrante José Arcanjo Nunes, engenheiro agrônomo e doutor em Produção Vegetal pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Em sua exposição, ele promoveu a reflexão sobre o direito humano básico a uma alimentação saudável, que deve ser garantido a todos, com qualidade e quantidade suficientes, ressaltando a importância de levarmos em conta todo o processo de produção, que deve respeitar o produtor, o meio ambiente e o consumidor tanto nutricional quanto culturalmente.

 

Eixos temáticos e propostas

Em seguida, foram realizadas as atividades dos grupos de trabalho, para construção de propostas no âmbito dos três eixos em discussão. No primeiro, foram debatidos: Direitos Humanos: direito à alimentação digna e saudável e os desafios para a soberania alimentar e a comida de verdade; A violação dos direitos humanos e a soberania alimentar e nutricional como direito constitucional; e A violação dos direitos humanos e a soberania alimentar e nutricional para população negra e para os povos e comunidades tradicionais no Espírito Santo.

O segundo eixo falou sobre: Sistema Estadual Segurança Alimentar e Nutricional: até onde chegamos e para onde queremos ir; O papel e a importância dos Conselhos Municipal e Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional, das Câmaras Intersetoriais de Segurança Alimentar e Nutricional, municipais e estaduais; e das Conferências municipais, regionais e estaduais para o desenvolvimento da Política de Segurança Alimentar e Nutricional.

Já o último eixo abordou estratégias para avançar na agenda de Segurança Alimentar e Nutricional e na mobilização da sociedade capixaba.

Na plenária final, foram apresentadas propostas para o município a serem encaminhadas ao Estado e à União, sugerindo ações e caminhos para garantia e o fortalecimento da política pública de segurança alimentar e nutricional. Por fim, houve a eleição dos delegados para a 6ª Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional.

“A gestão do governo municipal é sensível e comprometida com o assunto. Por isso, reconhecemos a importância de espaços como esses para a discussão e elaboração de boas propostas que possam impactar no futuro do município, no fortalecimento e na implementação de políticas públicas que garantam esse direito básico do ser humano”, defende a secretária municipal de Desenvolvimento Social, Maria Aparecida Stulzer.

Publicidade