Geral

Bolsonaro diz que excludente de ilicitude para militar valeria somente para GLO

COMPARTILHE
14

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira, 22, que o projeto que prevê excludente de ilicitude para militares e agentes de segurança será exclusivo para casos ocorridos em operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Ele negou que casos como o do policial militar acusado de ter disparado o tiro que matou a menina Ágatha Félix, de apenas 8 anos, possam ser enquadrados na nova lei.

TJ-SP é criticado por criar posto de conciliação com operadoras

O Tribunal de Justiça de São Paulo abriu um posto de conciliação para lidar...

Justiça bloqueia dinheiro da prefeitura do Rio para pagar salários na saúde

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (Rio de Janeiro e Espírito Santo...

Juiz dá 72 horas para a volta dos radares

A 1ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal concedeu parcialmente nesta quarta, 11,...

“O projeto nosso trata de GLO e quem estiver conosco nessa operação”, afirmou Bolsonaro, após proferir palestra na Escola de Comando e Estado Maior do Exército, na Urca, zona sul do Rio. “

“Não é justo, por exemplo – vou citar o caso das Forças Armadas -, um garoto de 20 anos de idade, torce pro Flamengo, tem sua namorada, vai pra praia no fim de semana, e numa operação GLO acontece um imprevisto numa área urbana, você é submetido a uma auditoria militar e pega de 12 a 30 anos de cadeia. Isso não é justo”, defendeu.

Continua depois da publicidade

O presidente garantiu ainda que todos os casos serão analisados. “Nenhum militar vai sair cometendo absurdos e excessos. Isso não passa por nossas cabeças. Um possível excesso doloso teria punição”, afirmou.

CNH

Em aceno aos caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender propostas de mudanças no Código de Trânsito Brasileiro, que incluíram o aumento do número de pontos para se ter a carteira de motorista cassada e um prazo duas vezes maior na validade do documento.

“A gente apresenta o projeto e os parlamentares emendam. A alma do projeto é passar de cinco pra dez anos a validade da carteira de motorista, e passar de 20 pra 40 pontos a possibilidade de se perder a carteira”, disse o presidente. “Os caminhoneiros rodam o País todo e perdem rapidamente a carteira de motorista”, sustentou.

Outra mudança defendida por ele é na aplicação de multas por excesso de velocidade. “Por decisão minha, junto com o Denatran, (pedi) a suspensão das multas por radares móveis.”

Marcio Dolzan
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade