Economia

Autonomia do BC poderá ser votada ainda neste ano, diz Campos Neto

COMPARTILHE
22
Advertisement
Advertisement

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse nesta sexta-feira, 8, que a autonomia da instituição poderá ser votada ainda neste ano. Falando em São Paulo para um grupo de empresários italianos, o banqueiro central contou que conversou ontem com o presidente da Câmara dos Deputados , Rodrigo Maia (DEM-RJ) sobre o tema.

CNI já apoiou micro e pequenas indústrias a pedirem R$ 418 milhões em crédito

Enquanto as menores firmas ainda enfrentam dificuldades no acesso ao crédito para garantir a...

Petrobras exporta 1,11 milhão de toneladas de óleo combustível, novo recorde

A Petrobras exportou 1,11 milhão de toneladas de óleo combustível em maio, superando em...

Juros voltam a fechar em alta com realização de lucro

Os juros futuros fecharam em alta, com exceção dos vencimentos de curtíssimo prazo que...

“Vamos tentar votar a autonomia do Banco Central este ano”, disse Campos Neto.

Ele acrescentou que um banco central com autonomia confere mais confiança à economia.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

Criptomoedas

O presidente do Banco Central disse ainda considerar as criptomoedas como uma boa ideia, mas que há um problema ao “interoperar” as transações internacionais. Para ele, a moeda digital surgiu na esteira de uma falha dos bancos centrais de pensarem em como se daria a intermediação financeira no futuro.

“Sempre acompanhei criptomoedas, vejo que na verdade esse produto visa atender uma pessoa que quer um sistema de pagamento rápido, seguro, transparente e barato. Se a gente conseguisse que o mundo todo fosse um país só e tivéssemos esses quatro itens, não teria porque não ter moeda digital. O grande problema é interoperar isso com compras internacionais”, comentou o presidente do BC.

Abertura de instituições financeiras

O presidente do Banco Central afirmou que está na agenda da autoridade monetária identificar os motivos pelos quais é difícil abrir uma instituição financeira no Brasil. Ele ponderou que parte do problema é relacionado ao câmbio – o que já teria sido endereçado, segundo ele -, mas outra parte é tributária, que está fora da alçada do BC, mas já estaria sendo olhado pela equipe econômica.

Ele destacou, ainda, que o BC já tem direcionado ações no sentido de diminuir a diferença de tratamento entre capital privado e público. “Vamos tratar o capital privado igual ao público. Mas isso não significa que o processo de abertura de um banco no Brasil seja fácil. Tem uma parte legal complexa”, disse.

Francisco Carlos de Assis e Bárbara Nascimento
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.