Geral

Sem novas manchas de óleo, Abrolhos é reaberto para visitação

COMPARTILHE
20
Advertisement
Advertisement

O Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, no sul da Bahia, foi reaberto nesta sexta-feira, 8, depois de não ter sido encontrado mais óleo na área de preservação ecológica. A previsão inicial era que a suspensão da visitação seguisse até a próxima quinta-feira, 14. O parque foi fechado no dia 3.

Brasil registra 1.005 mortes por coronavírus em 24h; total vai a 35.026

Um dia após tornar-se o 3º país com mais mortes por coronavírus, o Brasil...

Estado do Rio chega a 63 mil casos de covid-19 e registra 146 mortes em 24h

O Estado do Rio de Janeiro registrou 146 mortes por covid-19 e 2.134 novos...

Estado do Rio encerra restrição a trens, barcas e metrô

O transporte intermunicipal vai começar a ser retomado no Estado do Rio de Janeiro...

A informação sobre a reabertura da unidade de preservação foi divulgada nesta sexta pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Ministério do Meio Ambiente.

O chefe do parque, Fernando Repinaldo Filho, afirmou, em comunicado, não ter sido encontrado fragmento de óleo em Abrolhos e que os vestígios do material identificados no dia 2 “não produziram impacto negativo direto” na fauna e na flora da área.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

As primeiras manchas de óleo no Nordeste do País foram identificadas em setembro. O número de localidades atingidas chegou a 409, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira, 7, pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Na última terça-feira, 5, o ICMBio informou que a visitação seria estendida até o dia 14 de novembro por causa de fenômeno chamado de maré de sizígia, “que provoca uma amplitude na variação do nível do mar e mais força na circulação de correntes marinhas”. Isso, segundo o instituto, poderia contribuir para o aparecimento de mais manchas.

O ICMBio, no comunicado sobre ampliação do tempo de fechamento, informou que o parque passa todos os dias por monitoramento, que envolve navios da Marinha, drone, mergulhadores autônomos, embarcações de pescadores voluntários, pesquisadores e organizações não governamentais (ONGs).

Leonardo Augusto – Especial para AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.