Geral

20 anos depois, Justiça pode soltar atirador que matou 3 em cinema de SP

COMPARTILHE
205
Advertisement
Advertisement

Preso há 20 anos, após matar três pessoas e ferir outras quatro, com uma submetralhadora, dentro de uma sala de cinema do MorumbiShopping, na zona sul de São Paulo, no dia 3 de novembro de 1999, o ex-estudante baiano Mateus da Costa Meira pode ser solto pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

Consórcio de imprensa aponta total de 74.445 mortes por covid-19 no País

O Brasil registrou desde as 20 horas da terça-feira 7.963 novos casos de contaminação...

Aposta de São Paulo leva sozinha prêmio de R$ 43 milhões da Mega Sena

Uma aposta feita na capital paulista acertou as seis dezenas do concurso 2.279 da...

Operações investigam superfaturamento e fraudes em licitações em Educação no CE

A Polícia Federal (PF) e a Controladoria Geral da União (CGU) deflagraram na manhã...

A medida tem como base o resultado de dois recentes exames médicos e psicológicos que teriam atestado que Meira não apresenta mudanças de comportamento, estando apto à “desinternação”, para conviver em sociedade.

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) acompanha o caso com preocupação. No dia 9 de agosto, o promotor de Justiça Antônio Villas Boas Neto solicitou à Justiça que determine a realização de novos exames de verificação de cessação de culpabilidade.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Por se tratar de questão privada relativa à saúde do preso, o MP informa que não pode se manifestar quanto ao resultado dos exames anteriores.

Para Villas Boas Neto, a saída de Mateus da Costa Meira deve ser gradativa e realizada com o devido acompanhamento, como nos demais casos de desinternação.

Mateus foi condenado a 48 anos e nove meses de prisão em regime fechado.

Em 2009, cumprindo pena em Salvador, ele tentou matar, a golpes de tesoura, um companheiro de cela, o espanhol Francisco Vidal Lopes.

Advertisement

Dois anos depois, por decisão da 1º Vara do Tribunal do Júri de Salvador, respaldada em laudo que apontou esquizofrenia, ele foi considerado inimputável, e transferido para um hospital psiquiátrico, onde permanece.

A reportagem tentou contato com a defesa de Meira, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Heliana Frazão – Especial para a AE
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.