Política Regional

Servidora denuncia e pede cassação do prefeito de Muniz Freire

COMPARTILHE
4999

Três denúncias por atos de improbidade administrativa contra o prefeito de Muniz Freire, Carlos Brahim Bazzarella (PROS), o “Dr. Carlinhos”, foram protocoladas na Câmara Municipal na última semana, por uma servidora pública do município que pede a sua cassação.

Vereador de Ibatiba é condenado a devolver R$ 26 mil por ser considerado “funcionário fantasma” na Prefeitura

O vereador de Ibatiba, Ivanito Barbosa de Oliveira (PP), foi condenado pelo Tribunal de...

O que esperar da relação entre Bolsonaro e Casagrande em 2020

Um governo federal de direita. Um governo estadual de centro-esquerda. Essa foi a configuração...

Após polêmica reeleição na Assembleia Legislativa do ES, Erick Musso renuncia

A Mesa Diretora da Assembleia do Espírito Santo, eleita na última quarta-feira (27) para...

De acordo com a representação nº 524/19, o prefeito teria utilizado verba pública de forma irregular para fazer a 2ª Copa de Marcha Especializada do Cavalo Mangalarga Marchador, no Sítio Vista Linda, com a atração nacional Alemão do Forró, no dia 8 de setembro de 2019. O evento foi realizado em propriedade particular, do próprio prefeito, mediante a cobrança de ingresso no valor de R$ 20 por pessoa, diz a denunciante.

A representação nº 535/19 aponta que o prefeito teria utilizado indevidamente recursos do Fundo para a Redução das Desigualdades Regionais, nos chamados “Royalties Estaduais”, para a realização de pagamento de funcionários da Prefeitura, configurando, assim, crime de aplicação indevida de verbas públicas.

Continua depois da publicidade

A terceira representação, sob o nº 536/19, é de que a administração de Dr. Carlinhos fez parcelamento de dívida previdenciária sem autorização prévia da Câmara Municipal. Segundo a denúncia, para que operações de crédito tenham validade, o instrumento de confissão de dívida deve ser precedido de lei autorizada, na qual estariam estabelecidas as regras.

O presidente da Câmara Municipal, Gedelias de Souza (PEN), explica que as denúncias serão encaminhadas para votação no plenário. Se forem aprovadas, por maioria simples, será constituída a Comissão Processante, nos termos do artigo 124, inciso I do Regimento Interno da Câmara. “O pedido da denúncia é de cassação do mandato, pelo qual será acolhido ou não por nós vereadores, após análise do mérito”, destaca Gedelias.

A reportagem tentou contato com o prefeito, mas as ligações feitas ao seu celular não foram atendidas. Até o fechamento desta edição Dr. Carlinhos não havia dado retorno.

Publicidade