Espírito Santo

MPES requer condenação de ex-comandante da PM de Guarapari por improbidade durante greve

COMPARTILHE
Divulgação MPES
331
Advertisement
Advertisement

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Promotoria de Justiça de Guarapari, ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP) em face do ex-comandante do 10º Batalhão da Policia Militar em Guarapari Wellington Barbosa Pessanha. Ele é acusado pela prática de atos de improbidade administrativa durante a greve da Polícia Militar do Estado, ocorrida em 2017.

Estado solicita autorização do Legislativo para doação de imóveis públicos a municípios capixabas

O Governo do Estado encaminhou para apreciação da Assembleia Legislativa (Ales) sete projetos de...

Caixa abre 51 agências no ES neste sábado (30) para pagamento do auxílio emergencial

A Caixa vai abrir, neste sábado (30), de 8h às 12h, 51 agências no...

Findes avalia fundo de aval ao Banestes e à Secretaria de Desenvolvimento

A Federação das Indústrias do Espírito Santo encaminhou ofícios quinta-feira (28) ao Banestes e...

O MPES requer a condenação do então comandante pelo descumprimento de duas determinações do Comando-Geral da Polícia Militar, duas Notificações Recomendatórias do MPES, duas decisões judiciais proferidas em Ações Civis Públicas movidas em razão da greve (uma pelo Estado do Espírito Santo e outra pelo MPES), bem como pela ausência de resposta às requisições ministeriais, nas penas do art. 12, III, da Lei 8.429/92. O MPES requer, também, a condenação ao pagamento a título de dano extrapatrimonial coletivo no valor de R$ 100.000,00.

Acusações

Advertisement
Continua depois da publicidade

Consta dos autos do Inquérito Civil que embasou a Ação Civil Pública, que o então comandante do 10º BPM deixou de adotar as diligências determinadas para a retomada imediata do patrulhamento ostensivo, deixou de identificar as pessoas que estavam à frente do BPM impedindo a saída da força policial e não respondeu às requisições do MPES.

O Ministério Público sustenta que o movimento grevista deixou o município de Guarapari à mercê da criminalidade. De acordo com a ACP, somente no dia 7 de fevereiro de 2017, 29 ocorrências recebidas pelo Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes) foram canceladas “por falta de recurso no turno de serviço”. Órgãos públicos tiveram o funcionamento paralisado durante os 20 dias de greve e diversos estabelecimentos comerciais foram saqueados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.