Espírito Santo

MPES requer condenação de ex-comandante da PM de Guarapari por improbidade durante greve

COMPARTILHE
Divulgação MPES
315
Advertisement
Advertisement

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Promotoria de Justiça de Guarapari, ajuizou uma Ação Civil Pública (ACP) em face do ex-comandante do 10º Batalhão da Policia Militar em Guarapari Wellington Barbosa Pessanha. Ele é acusado pela prática de atos de improbidade administrativa durante a greve da Polícia Militar do Estado, ocorrida em 2017.

Alerta: chuvas fortes no Caparaó podem causar enchentes no Rio Itapemirim esta madrugada

As fortes chuvas não cessam em todo o Espírito Santo. Desde às 16h desta...

Sedes cria grupo de trabalho para auxiliar retomada econômica dos municípios afetados pelas chuvas no ES

Representantes da Secretaria de Desenvolvimento (Sedes) se reuniram, na manhã desta segunda-feira (20), com...

Auditores Fiscais Federais Agropecuários do ES atuaram rapidamente para conter o risco de consumo de cerveja contaminada

A ação rápida dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Affas) do Espírito Santo foi essencial...

O MPES requer a condenação do então comandante pelo descumprimento de duas determinações do Comando-Geral da Polícia Militar, duas Notificações Recomendatórias do MPES, duas decisões judiciais proferidas em Ações Civis Públicas movidas em razão da greve (uma pelo Estado do Espírito Santo e outra pelo MPES), bem como pela ausência de resposta às requisições ministeriais, nas penas do art. 12, III, da Lei 8.429/92. O MPES requer, também, a condenação ao pagamento a título de dano extrapatrimonial coletivo no valor de R$ 100.000,00.

Acusações

Advertisement
Continua depois da publicidade

Consta dos autos do Inquérito Civil que embasou a Ação Civil Pública, que o então comandante do 10º BPM deixou de adotar as diligências determinadas para a retomada imediata do patrulhamento ostensivo, deixou de identificar as pessoas que estavam à frente do BPM impedindo a saída da força policial e não respondeu às requisições do MPES.

O Ministério Público sustenta que o movimento grevista deixou o município de Guarapari à mercê da criminalidade. De acordo com a ACP, somente no dia 7 de fevereiro de 2017, 29 ocorrências recebidas pelo Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes) foram canceladas “por falta de recurso no turno de serviço”. Órgãos públicos tiveram o funcionamento paralisado durante os 20 dias de greve e diversos estabelecimentos comerciais foram saqueados.

Advertisement
Publicidade