Geral

Ibama libera R$ 40,5 mil em cartão de compras para servidores

COMPARTILHE
19
Advertisement
Advertisement

O Ibama ampliou, de R$ 4 mil para R$ 8,5 mil mensais, o limite de gastos que alguns de seus servidores públicos podem gastar com cartões de compra, para facilitar a aquisição de itens básicos de segurança e ferramentas para remoção da borra de petróleo que contamina todo o litoral do Nordeste desde 30 de agosto.

Chega a 939 número de localidades atingidas por óleo no Nordeste, RJ e ES

O número de localidades atingidas por óleo continua aumentando e chegou a 939, segundo...

Ministério da Saúde libera R$ 152 milhões em caráter emergencial para o Rio

O Ministério da Saúde determinou a liberação de R$ 152 milhões em caráter emergencial...

Fragmento de osso é encontrado em terreno de obra perto do Parque do Ibirapuera

Um fragmento de um osso aparentemente humano foi encontrado em um terreno de obra...

O órgão chegou a analisar a possibilidade de fazer uma compra emergencial desses suprimentos, mas avaliou que essa opção poderia levar muitos dias para se concretizar. Por isso, decidiu ampliar o limite de compra dos “cartões corporativos” repassados às chefias do Ibama em cada um dos nove Estados do Nordeste.

Na prática, o impacto financeiro da medida é irrisório, dada a dimensão do desastre que já afetou 2 mil quilômetros do litoral brasileiro. Apenas um servidor em cada Estado possui esse cartão, ou seja, somente nove funcionários do Ibama são beneficiados pela medida. Na prática, portanto, o Ibama está liberando R$ 40,5 mil para compra de equipamentos de proteção individual (EPI), o que inclui itens como sacos plásticos, luvas, botas e máscaras, além de ferramentas como pás e enxadas, entre outras ferramentas básicas.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O órgão ambiental federal também conta com um número reduzido de servidores em ação em todo o Nordeste: são apenas 73 servidores espalhados pelas praias afetadas pela borra de petróleo.

No último fim de semana, se intensificaram as reclamações de que o governo federal demorou para agir contra o avanço do petróleo nas praias, além de não ter acionado imediatamente o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional.

André Borges
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Publicidade