Economia

Dólar fecha em alta ante real, com cautela pré-Previdência, crise no PSL e Chile

COMPARTILHE
34
Advertisement
Advertisement

Após uma queda significativa na última sexta-feira, quando recuou 1,22% frente ao real, o dólar iniciou a semana valorizado em relação à moeda brasileira. Uma série de fatores externos e internos alimentam um sentimento de cautela que pesa sobre a divisa. Aqui, os investidores aguardam a votação da reforma da Previdência, marcada para terça-feira e, ainda, o tamanho do peso que a crise dentro do PSL terá sobre a articulação política do governo.

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de...

Índice de consumo das famílias cai 21,6% em maio, diz FecomercioSP

O Índice de Consumo das Famílias (ICF) medido pela Federação do Comércio de Bens,...

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado, 30, para pagar auxílio emergencial

Neste sábado, 30, começa o calendário de saque em espécie da segunda parcela do...

Globalmente, os países latinos são afetados por uma série de conflitos na região, destacadamente no Chile, onde uma onda de protestos iniciados após reajuste no preço das passagens do transporte público cresceu de forma violenta e culminou, até o momento, em 11 mortes e toque de recolher decretado pelo governo. Depois de ter tocado a máxima aos R$ 4,1520 no início da tarde, o dólar fechou o dia cotado a R$ 4,1307, uma alta de 0,29%.

O dólar é favorecido ainda por um otimismo em relação ao acordo entre Estados Unidos e China, após sinalizações do vice-primeiro ministro chinês de que houve progressos na discussão. “China e Estados Unidos continuam apoiando um tratado limitado em suas declarações e, embora a euforia da reunião há duas semanas tenha sido reduzida, resta a esperança de que em novembro, quando Trump e Xi se encontrem, algum acordo significativo seja oficializado”, aponta relatório da corretora Oanda Corporation.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O operador da Hcommcor Corretora, Cleber Alessie Machado, explica que, com a leitura de uma Selic ainda mais baixa este ano, a atratividade do real fica menor, sobretudo na atual conjuntura macroeconômica. “Se a gente já tivesse reforma da Previdência no bolso – muito provavelmente terça teremos – e a atividade tivesse tração, teríamos motivo para o real começar a ter melhor performance. Como a gente não tem, o real é alvo de venda”, disse. Para ele, muitos investidores têm rebalanceado a carteira de emergentes e direcionado recursos do Brasil para o México.

Barbara Nascimento
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.