Política Nacional

Promotoria prende vereador em flagrante por 'rachadinha' no interior do Rio

COMPARTILHE
15

O Ministério Público do Estado do Rio prendeu em flagrante nesta quarta-feira, 16, o vereador Gersinho Crispim (SD), da Câmara de São João da Barra, no interior do Estado. O parlamentar foi detido logo após ter recebido R$ 3,5 mil de um assessor – o dinheiro seria fruto da devolução de parte do salário do servidor, consumando prática corriqueira em muitos gabinetes do Legislativo em várias regiões do País.

Bolsonaro afirma que acordo sobre Base de Alcântara foi 'bastante penoso'

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 14, que o acordo sobre a Base...

Bancada 'lavajatista' critica Toffoli por exigir dados sigilosos

A decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, de exigir dados...

MP denuncia ex-agentes do Doi-Codi por morte de advogado após tortura

O Ministério Público Federal denunciou o ex-comandante do Doi-Codi em São Paulo Audir Santos...

A informação foi divulgada pelo Ministério Público do Estado.

Segundo a Promotoria, Crispim já era investigado por esquema de “rachadinha” – quando o servidor repassa parte ou totalidade de seu salário para o político que o contratou. O expediente configura crime de peculato.

Continua depois da publicidade

A Promotoria informou que a ação que prendeu o vereador foi autorizada pela Justiça. O parlamentar foi abordado quando chegava para a sessão da Câmara.

O município de São João da Barra fica a cerca de 315 km da capital fluminense e tem população estimada de pouco mais de 36 mil pessoas.

“As investigações apontam para a existência de uma embrionária organização criminosa, hierarquicamente organizada e suficientemente sedimentada para a prática de reiterados crimes contra a administração municipal, causando prejuízos aos cofres públicos do Município de São João da Barra”, destacou o Ministério Público Estadual em nota.

A prisão acontece no mesmo dia em que o procurador-geral de Justiça de São Paulo Gianpaolo Poggio Smanio mandou investigar denúncia de “rachadinha” no gabinete do deputado Gil Diniz, o Carteiro Reaça, líder do PSL na Assembleia Legislativa paulista.

‘Rachadinha’ também em São Paulo

O caso foi revelado pelo ex-assessor parlamentar Alexandre de Andrade Junqueira, que afirma que presenciou “por vezes” a circulação de dinheiro em espécie no gabinete do “Carteiro Reaça”.

Na representação apresentada na segunda, 14, Junqueira relata, além da “rachadinha”, a existência de uma funcionária fantasma no gabinete de Gil Diniz, que, segundo o ex-assessor, “não trabalhava e apenas assinava o ponto e devolvia o dinheiro para o deputado”.

“Carteiro Reaça” reagiu à acusação de Junqueira: “Saiu magoado e agora fez essa denúncia”.

Gil Diniz foi assessor do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) na Câmara até 2018, quando se elegeu para o mandato estadual. Ele afirma que o ex-servidor não tinha “produtividade” e, por isso, foi exonerado.

Defesa

A reportagem busca contato com a defesa ou assessoria de Crispim. O espaço está aberto para manifestação.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade