Esporte Nacional

Simone Biles leva ouro no salto, mas fica fora do pódio nas barras no Mundial

COMPARTILHE
11

A norte-americana Simone Biles conquistou seu terceiro título no Mundial de Ginástica Artística, que está sendo realizado em Stuttgart, na Alemanha. Neste sábado, a ginasta de 22 anos voou alto para levar o ouro no salto.

Dortmund bate Mönchengladbach, quebra série negativa e cola nos líderes do Alemão

Em duelo direto pelas primeiras posições, o Borussia Dortmund derrotou o líder Borussia Mönchengladbach...

Com 50º gol de Gabriel Jesus, Manchester City derrota o Crystal Palace

O Manchester City mostrou estar recuperado do baque pelo tropeço diante do Wolverhampton, na...

Em casa, Napoli derrota Verona e se mantém no pelotão da frente do Italiano

Na caça aos líderes do Campeonato Italiano, o Napoli derrotou o Verona por 2...

Biles foi a única a ultrapassar os 15 pontos. Ela levou 15,399 para faturar a medalha dourada. A prata ficou com Carey Jade, também dos Estados Unidos, com 14,883, e o bronze foi para a britânica Downie Elissa, que conseguiu 14,816.

Com mais um ouro conquistado, Simone Biles chegou à marca de 23 medalhas na história do Mundial e empatou com Vitaly Scherbo, da Bielo-Rússia, no ranking dos maiores medalhistas de todos os tempos. Ela, porém, está isolada na quantidade de ouros: tem 17, dois deles no salto.

Continua depois da publicidade

O desempenho da norte-americana em Stuttgart só reforça seu favoritismo para levar a medalha de ouro olímpica do próximo ano, em Tóquio. Mas não só de títulos vive Biles. Ela acabou ficando fora do pódio na disputa das barras assimétricas, a única em que não era favorita no Mundial.

A jovem belga Derwael Nina anotou 15,233 e se tornou bicampeã nas barras assimétricas. A própria Simone Biles já havia admitido antes da prova que não tinha “a menor chance” contra a belga. A britânica Downie Rebecca fez 15 e ficou com a prata e a norte-americana Lee Sunisa faturou o bronze, ao marcar 14,800.

A ginasta dos Estados Unidos terminou a disputa em quinto lugar, com 14,700 pontos, e, com isso, não conseguiu repetir o desempenho do último Mundial de Doha, em 2018, quando foi a todos os pódios. Ela também não foi capaz de superar a lendária atleta soviética Larisa Latynina, dona da melhor campanha em um só Mundial, com cinco ouros e uma prata em Moscou 1958.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade