Política Regional

“Vereadores tentaram dar um golpe na população”, afirma promotoria de Justiça de Muniz Freire

COMPARTILHE
Divulgação
1472
Advertisement
Advertisement

O presidente da Câmara de Muniz Freire, Gedelias de Souza (PEN), emitiu nota oficial na tarde de hoje (18) comentando a decisão da Justiça de cassar oito dos nove vereadores em processo de ato de improbidade administrativa por terem reajustado os próprios subsídios.

Luciano Machado apresenta PL que propõe redução de salário dos deputados durante pandemia

O deputado Luciano Machado (PV) apresentou nesta quarta-feira (1º), Projeto de Lei que prevê...

Luciana Andrade é nomeada a nova procuradora-geral de Justiça do ES

A promotora de Justiça Luciana Gomes Ferreira de Andrade foi escolhida nesta quarta-feira (25/03)...

Legislativo de Guaçuí é o primeiro no ES a realizar sessão ordinária por videoconferência

O Legislativo Municipal de Guaçuí foi o primeiro no Espírito Santo a realizar uma...

De acordo com a nota, a legislação determina que o subsídio dos vereadores seja fixado pelas câmaras municipais em cada legislatura (mandato) para a subsequente, observado o que dispõe a Constituição Federal e observados os critérios estabelecidos na respectiva Lei Orgânica. “No caso de Muniz Freire a fixação do valor do subsídio deve ocorrer até o mês de março do último ano da legislatura. Desta forma a fixação do valor do subsídio deve ocorrer, até março dos anos de 2016, 2020, 2024, correspondente a cada próxima legislatura”, diz trecho da nota.

O presidente afirma que, por força de dispositivos legais, o valor deve ser fixado antes das eleições municipais.

Advertisement
Continua depois da publicidade

“Essa regra é para que não se fixe este ou aquele valor em detrimento do conhecimento de quem ganhou ou perdeu a eleição. Obedecendo os preceitos legais citados, através da Lei 2.415/15, de 01/07/15, os vereadores da legislatura 2013/2016 fixaram o valor do subsídio para a legislatura 2017/2020 com os seguintes valores de 6,5 mil para os parlamentares e R$ 7.590,00 para o presidente. Até então a fixação do valor do subsídio estava perfeitamente legal”, explica Gedelias.

Em 19 de setembro de 2016 cidadãos apresentaram projeto de lei com a proposta de reduzir os subsídios dos vereadores para R$ 1.740,00 e o do presidente para R$ 2.436,00. No entanto, o projeto só foi apreciado pela Casa após sete dos oito vereadores candidatos à reeleição não terem conseguido a vitória nas urnas.

“As eleições municipais ocorreram no dia 3 de outubro de 2016. Entre o dia 19 de setembro e as eleições municipais de 2016 o projeto relacionado ao valor de R$ 1.740,00 não obteve nenhuma tramitação regular. Apenas no primeiro dia útil posterior às eleições, ou seja, no dia 4 de outubro, a Mesa Diretora da Câmara, composta pelo Sr. Eraldo José Sobreira Bravo, Luiz Carlos Braga (Luiz Pesão) e Gilberto de Oliveira, apresentou um projeto de lei para alterar o valor do subsídio que foi fixado. Os valores propostos no projeto foram os mesmos da proposta de autoria popular”, comenta o presidente.

Legislação

Advertisement

Gedelias pontua que no caso do novo projeto não se observou, segundo ele, a legislação, que determina que a fixação do subsídio deve ocorrer antes das eleições municipais.

“A Mesa da Câmara apresentou o projeto em seguida ao momento em que se soube quem foram os vereadores eleitos e, dos oito que eram candidatos à reeleição, sete não foram reeleitos, dentre eles os Srs. Eraldo, Luiz e Gilberto. Por isso a legislação determina que a fixação do subsídio deve ocorrer antes das eleições, ou seja, para que não se eleve ou diminua o valor em detrimento de quem ganhou ou perdeu a eleição”, pontua Souza.

O presidente do Legislativo lembra que quando os vereadores tomaram posse em janeiro de 2017 não sabiam qual o valor do subsídio iriam receber, se seria o de R$ 6,5 mil ou o de R$ 1.740,00.

“Os nove vereadores decidiram em reunião, por unanimidade, propor projeto para revogar tanto a lei que fixou o subsídio após as eleições, por ela ter tramitado sem obediência aos preceitos legais e regimentais, bem como a lei que fixou corretamente o subsídio de R$ 6,5 mil, uma vez que os parlamentares entendiam que a situação financeira do município era desfavorável para arcar com as despesas oriundas desse valor”, argumenta Gedelias.

Uma vez que houve a revogação das leis que fixaram os valores de R$ 6.500,00 e R$ 1.740,00, não havia fixação válida para o subsídio. A Câmara recorreu ao judiciário, e após alguns desencontros jurídicos, o juiz da Comarca de Muniz Freire determinou que os salários fossem fixados com base na Lei Municipal nº 2.267/2012. Assim, o subsídio passou a ser no valor de R$ 4.390,00 para vereadores e R$ 6 mil para o presidente.

O alerta

Por telefone, o promotor Elion Vargas disse que alertou os vereadores sobre a ilegalidade de seus atos e que tentou o diálogo sem sucesso.

“Sempre priorizo o diálogo. Conversei com os vereadores antes de entrar com a ação. Inclusive entreguei uma notificação que foi assinada por todos, dando ciência a eles que poderiam responder por improbidade se aumentassem os subsídios. A lei diz que não pode aumentar o salário após o pleito eleitoral. Diminuir não afronta a legislação. O que fizeram foi tentar dar um golpe na população”, disse o promotor.

A decisão de cassar o mandato dos oito dos nove vereadores cabe recurso e eles vão poder recorrer sem precisar deixar o cargo.

Veja AQUI a nota na íntegra

Advertisement