Economia

Turquia enfrenta riscos e deveria manter juros até inflação perder força, diz FMI

COMPARTILHE
9

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou comunicado sobre o quadro na Turquia, com conclusões preliminares após visita oficial de uma equipe sua ao país. Na avaliação da equipe do Fundo, a Turquia continua suscetível a riscos externos e doméstico e a perspectiva para crescimento forte e sustentável no médio prazo é “desafiadora” se não houver mais reformas. Além disso, o país deveria manter os juros até que a inflação perca força.

Mourão: crise no PSL não deve impactar votações como a da Previdência

O presidente em exercício, general Hamilton Mourão, disse nesta segunda-feira, 21, que a implosão...

Inpi expande programa que facilita concessão de patentes para todos os setores

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) estenderá para todos os setores tecnológicos o...

Ibovespa sobe 1,23% e renova pico histórico com exterior e agenda econômica

O apetite por risco no cenário internacional e a perspectiva positiva para a economia...

O FMI diz que os turcos conseguiram crescimento forte em décadas recentes, mas com o aumento de desequilíbrios. O país entrou 2018 com crescimento acima do potencial e um grande déficit em conta corrente. “Esses desequilíbrios contribuíram para a forte depreciação da lira no ano passado e a recessão associada. Uma reação da política monetária, embora “tardia”, foi “acompanhada por recessão no segundo semestre do ano e uma forte alta no desemprego”, aponta.

Desde então o crescimento voltou, ajudado por estímulos políticos. Impulsionado pela política fiscal expansionária, pelo crédito dos bancos estatais e pela forte contribuição das exportações líquidas, além de um sentimento de mercado mais favorável, a economia turca cresceu no primeiro semestre de 2019, diz o FMI. A equipe projeta que o crescimento neste ano fique em 0,25 ponto porcentual.

Continua depois da publicidade

A lira tem se recuperado, conforme as pressões do mercado diminuem, também por um “ajuste notável na conta corrente”, diz o FMI. A inflação desacelerou e deve ficar abaixo de 14% no fim deste ano.

A calma atual, contudo, parece “frágil”, adverte o Fundo, já que o país tem reservas baixas, dívida em moeda estrangeira no setor privado e necessidades “altas” de financiamento externo. O FMI sugere, nesse quadro, uma política monetária restrita para fortalecer a credibilidade do banco central, apoiar a lira e conter a inflação, além do fortalecimento das reservas. Para o FMI, o ciclo de corte de juros no país tem sido muito agressivo, diante das expectativas ainda altas de inflação. A manutenção dos juros ajudaria a ancorar a inflação e as expectativas para os preços, o que apoiaria a lira, permitiria a recomposição das reservas e apoiaria uma reversão no movimento de dolarização da economia, diz o Fundo.

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade