Geral

Relator do pacote anticrime no Senado defende excludente de ilicitude

COMPARTILHE
14

Na contramão de deputados, o relator do pacote anticrime no Senado, Marcos do Val (Podemos-ES), defendeu a manutenção da proposta do ministro da Justiça e Segurança, Sergio Moro, que pode reduzir ou até isentar a pena de policiais que causarem morte durante o exercício do serviço no País.

Witzel pede 'rigorosa apuração' da causa da morte de bombeiros

Três bombeiros morreram quando combatiam um incêndio na uisqueria Quatro por Quatro, no centro...

Vídeo mostra operários martelando colunas pouco antes de prédio desabar

Vídeo do circuito de câmeras de segurança do Edifício Andréa, em Fortaleza, mostra operários...

Procuradoria pede a Salles detalhes de plano contra óleo no litoral

A Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal (4CCR) enviou,...

A discussão do chamado excludente de ilicitude ganhou novos cenários após a morte da menina Ágatha Félix, de 8 anos, atingida por um tiro de fuzil dentro de uma Kombi no Complexo do Alemão, no Rio, na noite da última sexta-feira, 20.

Marcos do Val afasta a relação entre a morte de Ágatha e a proposta de Moro. “Quem é contra lógico que vai usar essa situação como motivo da retirada dessa parte do projeto. Se analisarmos o número de abordagens diárias no Brasil inteiro, isso (a morte) é uma em um milhão. Não podemos achar que isso é a rotina”, comentou o senador ao Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Continua depois da publicidade

O pacote de Moro está sendo discutido na Câmara. O Senado, paralelamente, discute projetos que foram apresentados com o mesmo conteúdo. Um deles, que trata sobre o excludente de ilicitude, está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Marcos do Val reforçou que pretende dar aval à proposta de Moro sobre esse ponto e que espera votar o projeto no colegiado em outubro, após a conclusão da reforma da Previdência na Casa.

Daniel Weterman
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade