Geral

Vaticano divulga lista de participantes do Sínodo da Amazônia

COMPARTILHE
31
Advertisement
Advertisement

O Vaticano divulgou neste sábado, dia 21, a lista completa de participantes do Sínodo da Amazônia, assembleia especial que discutirá temas políticos relacionados ao meio ambiente e assuntos internos da Igreja Católica em Roma, ao longo do mês de outubro. O Brasil tem a maior delegação entre os participantes, 58 bispos da região amazônica, além de outros nomes na cúpula do encontro presidido pelo papa Francisco e que provocaram reações negativas no governo Jair Bolsonaro. O pontífice convidou cientistas, nomes ligados à Organização das Nações Unidas (ONU), representantes de igrejas evangélicas, de ONGs e povos indígenas. A previsão é de mais de 250 participantes.

Flexibilização em SP não é motivo para sair de casa sem necessidade

A reabertura parcial de shoppings e estabelecimentos comerciais em parte do Estado de São...

Medo de infecção freia vendas mesmo após reabertura

Os R$ 172 bilhões de vendas perdidas pelo comércio varejista brasileiro de meados de...

Capital paulista exigirá de empresas garantias para as mães

Os setores da economia que quiserem reabrir na cidade de São Paulo terão de...

Os principais nomes brasileiros são o relator-geral do sínodo, cardeal d. Cláudio Hummes, e um dos três presidentes-delegados, o cardeal d. João Braz de Aviz.

Dos oito demais países da região pan-amazônica, as maiores delegações de bispos vêm de Colômbia (15), Bolívia (12), Peru (11), Equador (7), Venezuela (7), Guiana (1), Guiana Francesa (1) e Suriname (1). Ao todo, são 185 “padres sinodais”, clérigos com direito a voto nos temas a serem debatidos na assembleia.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O papa vetou entre os convidados especiais (não-religiosos) militares ou políticos que exerçam mandato, apesar de o governo Bolsonaro ter manifestado interesse em enviar representantes. A lista de 12 personalidades de expressão mundial inclui o climatologista brasileiro Carlos Nobre, cuja participação foi revelada pelo Estado.

Os outros 11 convidados são: o ex-secretário-geral da ONU Ban Ki-moon; o diretor da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) René Castro Salazar; o presidente da Coordenadoria das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA), José Gregorio Díaz Mirabal, indígena Koripako da Venezuela; o presidente da ONG francesa Forêt Vierge (Associação Mata Virgem), Jean-Pierre Dutilleux, entidade ligada ao cacique brasileiro Raoni, líder indígena Kayapó; a secretária-geral da aliança católica CIDSE (Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e a Solidariedade), Josianne Gauthier; o padre Miguel Heinz, presidente da organização católica alemã Adveniat; o professor Luis Libermann, fundador da Cátedra do Diálogo e Cultura do Encontro, na Argentina; o professor de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Columbia (EUA) Jeffrey D. Sachs; o professor Hans J. Schellnhuber, diretor emérito do Instituto Postdam de Pesquisa de Impacto Climático, na Alemanha; o monsenhor Pirmin Spiegel, diretor-geral da organização alemã Misereor; e a relatora especial da ONU para os Direitos dos Povos Indígenas, Victoria Lucia Tauli-Corpuz.

O papa convidou representantes de igrejas evangélicas – cuja presença expansiva na Amazônia é uma das preocupações do sínodo católico. Seis deles estão entre os chamados “delegados fraternos”, sendo quatro brasileiros: o historiador Moab César Carvalho Costa, evangelista da Igreja Assembleia de Deus em Imperatriz (MA); o reverendo Nicolau Nascimento de Paiva, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil; e dois nomes da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – Daniel Dos Santos Lima, membro da Comunidade Anglicana de Manaus (AM), e o reverendo Cláudio Correa de Miranda, vice-coordenador do Conselho Amazônico de Igrejas Cristãs.

Entre auditores e colaboradores do sínodo, o Vaticano convocou dezenas de outros nomes atuantes no Brasil, a maior parte ligada à Igreja, como os padres Justino Sarmento Rezende, especialista em inculturação de espiritualidades indígenas e originário do povo Tuyuka, em São Gabriel da Cachoeira (AM), e Dario Bossi, missionário italiano da Rede Igrejas e Mineração, que atua em Açailândia (MA). Há também nomes de fora da hierarquia católica, como o procurador da República Felício de Araújo Pontes Júnior, especialista em direito das populações indígenas e o linguista Tapi Yawalapiti, cacique que representará 16 tribos do território do Alto Xingu, no Mato Grosso.

O sínodo, que tem na pauta dar mais protagonismo a mulheres na Igreja, terá uma presença significativa delas, mas sem direito a voto. Na delegação que vai a Roma, foram incluídas a professora da Universidade Federal de Roraima Marcia Maria de Oliveira, doutora em Sociedade e Cultura na Amazônia, especialista em história da Igreja na Amazônia e assessora da Rede Eleclesial Pan-Amazônica (Repam), a coordenadora do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) Judite da Rocha, e a agrônoma Ima Célia Guimarães Vieira, representante da comunidade científica no Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), ex-diretora e pesquisadora titular do Museu Paraense Emilio Goedi.

O sínodo será encerrado em 27 de outubro, com uma missa do papa Francisco na Basílica de São Pedro. O evento também marcará a canonização de Irmã Dulce. Os resultados do sínodo, que serve como encontro de consulta do papa à Igreja, só serão conhecidos após a exortação apostólica que será proferida pelo pontífice.

Felipe Frazão
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.