Economia

Startups do Cubo Itaú atraem R$ 480 milhões

COMPARTILHE
12

O centro de inovação Cubo Itaú anunciou ontem que suas startups residentes receberam mais de R$ 480 milhões em investimento nos últimos dois anos e faturaram mais de R$ 540 milhões em 2019 – mais que o dobro em relação ao ano anterior, quando as startups faturaram R$ 230 milhões. Os números foram anunciados em evento na sede do Cubo, em São Paulo, em comemoração aos quatro anos do centro de inovação.

Cade veta aquisição de transportadora pela Brink's e expõe 'mercado concentrado'

O superintendente-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Cordeiro Macedo, demonstrou preocupação...

Emissão de ações do BB atrai pessoas físicas

O Banco do Brasil conseguiu atrair R$ 7 bilhões em investimentos de pessoas físicas...

Governo quer alterar programa de socorro dos Estados para incluir MG

O governo federal vai propor ao Congresso uma nova roupagem para o Regime de...

“O cenário do ecossistema de startups mudou muito nos últimos anos. O Brasil virou um grande foco de investimentos de capital de risco, e as apostas do grupo japonês SoftBank provam isso”, afirmou Pedro Prates, diretor do Cubo. “E isso não vai parar no SoftBank: cada vez mais as startups vão fazer parte dos negócios no País”, disse.

Em quatro anos, o Cubo já ocupa sua segunda sede na Vila Olímpia, zona sul da capital paulista. Atualmente, cerca de 250 startups mantêm atividades no Cubo, seja no prédio físico da Vila Olímpia ou por meio de uma plataforma digital – só em 2019, mais de 2 mil startups procuraram o Cubo para serem residentes.

Continua depois da publicidade

O centro de inovação conecta as startups com outras novatas inovadoras, e também com investidores, universidades e corporações. Nos últimos quatro anos, o Cubo realizou mais de 2,7 mil eventos e, todos os dias, mais de 2 mil pessoas circulam pelo espaço em SP.

Em 2019, as startups do Cubo fecharam mais de 180 negócios com grandes corporações. No centro de inovação, existem startups com soluções para 15 segmentos de mercado.

Para Pedro Prates, as mudanças dos últimos anos, principalmente relacionadas ao acesso de capital, deixou o mercado de startups “mais apetitoso” para quem quer empreender, e também colocou novos desafios para o Cubo: “O crescimento gera necessidades. Precisamos conectar as startups com esses investimentos, além de ligá-las a clientes e talentos”, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Giovanna Wolf
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade