Internacional

A última cartada pré-eleitoral de Netanyahu

COMPARTILHE
14

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin “Bibi” Netanyahu, participou neste domingo, 15, de sua última reunião do conselho antes das eleições da próxima terça-feira (17) no Vale do Jordão, Cisjordânia, e anunciou a legalização de um assentamento judaico no local, em uma última tentativa de consolidar sua base de eleitores nacionalista e conservadora.

Presidente do Chile reverte aumento da tarifa do metrô em meio a protestos

O presidente chileno, Sebastián Piñera, decidiu revogar o aumento na tarifa do metrô, medida...

Governo britânico envia carta à UE pedindo extensão do prazo para saída do bloco

O governo britânico pediu formalmente à União Europeia um adiamento do prazo para a...

Milhares se reúnem em protesto do "orgulho italiano"

Dezenas de milhares de manifestantes se reuniram em Roma neste sábado, 19, para uma...

Netanyahu tem participado de diversas aparições na mídia para convencer apoiadores a comparecerem na eleição, a fim de impedir a vitória de um novo governo, que, segundo ele, vai ameaçar a segurança nacional.

Um ponto central da sua agenda de última hora tem sido a promessa de estender a soberania de Israel sobre o Vale do Jordão e anexar colônias judaicas, feita na última terça-feira, 10, exatamente uma semana antes da eleição. A região representa 30% da Cisjordânia e é considerada um ponto crucial para que se alcance um acordo de paz.

Continua depois da publicidade

A prática foi evitada por Netanyahu durante seu mandato, que já dura mais de uma década. A situação é diferente agora, na segunda eleição do ano. Em abril, apesar de ter conquistado uma vitória nas urnas, Netanyahu não conseguiu formar uma coalizão para governar.

Segundo o jornal Haaretz, na eleição de terça-feira, o bloco de Bibi somaria perto de 56 cadeiras: 32 do Likud, 14 dos dois partidos religiosos e 10 do Direita (da ex-ministra da Justiça Ayelet Shaked).

Seu principal opositor, o ex-chefe do Estado Maior do Exército, general Benny Gantz, líder do Azul e Branco, conseguiria 54 assentos. A corrida apertada obrigou Bibi a adotar um tom populista.

Segundo o gabinete de Bibi, Israel decidiu “transformar a colônia selvagem de Mevoot Jericó, situada no Vale do Jordão, em uma oficial”. Já o premiê disse que o Vale do Jordão é “um muro de defesa que será parte integrante de Israel (…) e que vai assegurar a presença eterna das nossas Forças Armadas”.

A Autoridade Palestina condenou a realização da reunião do gabinete ministerial nos territórios ocupados e, sem mencionar a colônia diretamente, pediu à comunidade internacional que faça pressão sobre Israel, um governo que “mina todos os fundamentos do processo político (de paz)”. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Publicidade