Economia

Opep volta a cortar projeção de avanço na demanda global por petróleo em 2019

COMPARTILHE
25
Advertisement
Advertisement

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) cortou sua projeção para o avanço na demanda global por petróleo em 2019 pelo segundo mês consecutivo, citando a desaceleração econômica dos Estados Unidos e da zona do euro e as tensões comerciais entre americanos e chineses.

Guedes reconhece que dinheiro está empoçado nos bancos e sinaliza mais medidas

Após o Banco Central ter anunciado a liberação de R$ 1,2 trilhão para as...

Liberação de crédito também é problemática

As críticas dos economistas em relação à operacionalização das políticas contracíclicas também alcançam as...

Demora nas medidas fará PIB recuar mais

Após ser reprovado pela demora para anunciar medidas econômicas que amenizem a crise decorrente...

Em relatório mensal divulgado nesta quarta-feira, a Opep reduziu sua previsão para o crescimento da demanda por petróleo este ano para 1,02 milhão de barris por dia (bpd).

O corte representa uma redução de 80 mil bpd em relação à previsão publicada em agosto, quando a Opep estimou avanço de 1,1 milhão de barris na demanda mundial. O grupo atribuiu a revisão a dados mais fracos do que o esperado de centros de demanda globais e a cortes a projeções de crescimento econômico.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

A Opep também reduziu sua previsão de alta na demanda em 2020, para 1,08 milhão de bpd, também por causa da expectativa de crescimento econômico menor. Além de citar a guerra comercial entre EUA e China, o grupo apontou expansão econômica menor do que se previa na Índia, emissões de dívida soberana da Argentina e as incertezas do Brexit – como é conhecido o processo para que o Reino Unido se retire da União Europeia.

Ainda no relatório, a Opep elevou sua projeção para o aumento da oferta fora do grupo em 2019 em 10 mil bpd, a 1,99 milhão de bpd, após revisar para cima estimativas para produção da Rússia, Casaquistão, Austrália e Canadá, que se sobrepuseram a um corte na oferta esperada dos EUA.

Apesar de revisar a oferta dos EUA para baixo, a Opep espera que a produção americana continue sendo um dos principais catalisadores de avanço neste ano, junto com Brasil, China e outros países.

Para 2020, no entanto, a Opep cortou sua projeção para o avanço da oferta fora do grupo para 2,25 milhões de bpd, graças a uma redução na produção estimada dos EUA, que deverá mostrar acréscimo de 1,54 milhão de bpd, desacelerando de 1,8 milhão de bpd este ano.

O documento não fornece número oficial da produção total da Opep em agosto, mas mostrou acréscimos na produção da Arábia Saudita (209 mil bpd), da Nigéria (78 mil bpd), do Iraque (30 mil bpd) e da Venezuela (27 mil bpd). Fonte: Dow Jones Newswires.

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement