Saúde

Saiba quatro cuidados essenciais que todo diabético deve ter

COMPARTILHE
Photo: Priscilla Du Preez on Unsplash
764

A diabetes é uma doença que não tem cura, mas é possível garantir qualidade e uma rotina praticamente comum mesmo com a enfermidade.

Asma: como tratar e prevenir a doença

A mudança repentina do clima, e a variação da temperatura causam alguns desconfortos no...

Cerca de 23 milhões de brasileiros possuem transtornos mentais

Dados recentes divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que 23 milhões de...

Governo estuda retomar gotinha contra pólio

Retirada pouco a pouco de uso, a vacina oral contra a poliomielite poderá ser...

Tendo isso em mente, você conhece os cuidados essenciais que todo diabético deve ter? Então, pare tudo o que está fazendo e conheça as precauções, seja para você mesmo ou para auxiliar no tratamento de quem ama.

4 cuidados essenciais que todo diabético deve ter

1- Mantenha a atenção aos pés

Foto: Priscilla Du Preez on Unsplash
Continua depois da publicidade

Os pés ou membros inferiores são uma das principais regiões do corpo que exigem cuidados diários do paciente diabético.

Acontece que é comum que você tenha a sensibilidade nos pés reduzida, devido a uma lesão nos nervos chamada de neuropatia diabética.

Para ser fácil de entender, ao ficar com uma sensibilidade menor nos pés, é possível que você demore mais para notar machucados, como rachaduras e feridas, o que pode levar a infecções e outras complicações médicas.

Além do mais, a falta de cuidado com a diabetes é uma das principais questões que leva a amputação de dedos e pés, devido a formação de coágulos ou mesmo a machucados não tratados.

Se você tem diabetes, é essencial que verifique os pés diariamente, na busca de possíveis machucados. Ao encontrar, procure por ajuda médica para avaliar melhor a condição.

2- Cuidado com a sensação de fome

Photo by Icons8 team on Unsplash

Muitas vezes, a cirurgia plástica em pacientes diabéticos surge como uma alternativa para lidar com o ganho de peso, que está relacionado a sensação de fome.

Mesmo que você seja liberado para uma cirurgia, que é um grande risco, nada vai realmente funcionar a longo prazo se antes você não controlar a fome.

Acontece que quem tem diabetes acaba com uma sensação maior de vazio no estômago devido as taxas de glicose.

Sempre que a glicose está alta, é comum que ocorra um desequilíbrio interno que provoca a fome e, principalmente, a vontade por doces.

Por isso, aprender a controlar essa compulsão e as taxas de glicose evitando o ganho de peso evitam a necessidade de uma lipoaspiração, por exemplo.

Segundo diversos especialistas, o foco inicial é controlar as taxas de glicemia através da alimentação e medicação, quando necessário.

Ao mesmo tempo, é essencial evitar ficar longos períodos em jejum, praticar atividades físicas, ingerir alimentos que reduzem a fome e ter opções saudáveis para pratos e doces.

3- Cicatrização e outros machucados

Ainda seguindo a linha da atenção devido a machucados, é preciso avaliar a cicatrização.

Todos os procedimentos médicos que envolvem algum tipo de corte, podem significar a entrada facilitada de um vírus, fungo ou bactéria.

No caso de pacientes diabéticos, esse perigo é ainda maior, já que a pele demora mais para cicatrizar e o sistema imunológico é menos eficaz, ou seja, pode não conseguir lutar contra aquele invasor.

Justamente por essa questão, ao solicitar uma lipoaspiração, o médico precisa avaliar minuciosamente o seu caso antes de seguir para a liberação da cirurgia.

Geralmente, pacientes diabéticos são desaconselhados a fazer diversas intervenções médicas.

É por isso que uma cirurgia plástica em pacientes diabéticos é considerada de maior risco que em outros pacientes.

4- Cuidando dos dentes

Photo by Phuong Tran on Unsplash

O cuidado com os dentes é algo aprendido desde os primeiros anos de vida, mas que precisa ser reforçado após o diagnóstico de diabetes.

Acontece que você acaba tendo uma probabilidade maior de doenças nas gengivas, nos dentes ou mesmo no suporte bucal.

Frequentemente, essas doenças começam indolores, mas podem rapidamente evoluir para uma infecção generalizada, resultando na perda de dentes e extensos tratamentos.

Segundo diversos dentistas, a resposta para prevenir essas complicações é a escovação após cada refeição, uso diário do fio dental e visitas frequentes ao profissional.

A periodicidade para ir ao dentista deve ser a cada seis meses.

Saiba também:

Cetoacidose diabética – O que é e como controlar

Um dos grandes destaques de cuidados essenciais que todo diabético deve ter é em relação cetoacidose diabética.

Basicamente, essa é uma condição que se refere a uma alta excessiva dos níveis de glicose na corrente sanguínea.

Isso pode ocorrer devido aos picos, onde a insulina não é capaz de manter o equilíbrio ou mesmo quando essa falta de energia e picos de glicose fazem com que o organismo queime a gordura armazenada e libere os corpos cetônicos.

O excesso desses corpos cetônicos podem envenenar o corpo e resultar em mal-estar, desmaios e coma diabético.

O tratamento pode envolver uma série de reposição de fluídos, administração de insulina, substituição de eletrólitos, remédios e tratamentos para morbidades.

A cetoacidose diabética é uma das principais vertentes observadas quando o assunto é cirurgia plástica em pacientes diabéticos, como a lipoaspiração.

Já que é possível que ocorram picos ou alterações nas taxas de glicemia que significam um risco a vida do paciente que está na mesa.

A questão envolvendo a cetoacidose diabética requer cuidado na rotina, monitoramento do nível de açúcar no sangue e opções de auxílio rápido.

Em outras palavras, ao notar um desequilíbrio, não perca tempo e consulte o seu médico o quanto antes para evitar o quadro.

Se for constatado a complicação, converse e mantenha alguém próximo e contate um atendimento de emergência diante de qualquer sintoma.

Tenho diabetes, posso fazer cirurgia?

Photo by Eunice Lituañas on Unsplash

A cirurgia plástica em pacientes diabéticos é uma discussão constante, mesmo com as mudanças tecnológicas consideradas mais seguras em procedimentos como a lipoaspiração.

Em resumo, é possível fazer uma cirurgia plástica em pacientes diabéticos, desde que o processo envolva a estabilização da glicemia e cuidados pós-cirúrgicos.

Na lipoaspiração por exemplo, o cuidado está em manter a região abdominal sempre coberta e com curativos simples, avaliando a cicatrização e possíveis infecções.

Os riscos existem, mas procurar o tratamento adequado e uma equipe médica especializada, reduz as chances de complicações e pode ser o diferencial para a sua qualidade de vida e bem-estar.

Como conclusão, os cuidados essenciais que todo diabético deve ter envolve a observação do corpo, controle de glicemia, limpeza bucal, controle de peso e alimentação e avaliação contínua de machucados.

Dessa maneira, você consegue garantir que a sua saúde esteja em dia, pode entrar na lista de cirurgia plástica para diabéticos e fazer a tão sonhada lipoaspiração.

Publicidade